Debate da Globo tem manifestações de plateia em troca de acusações de candidatos

Com acusações mútuas e ironias, sobretudo envolvendo o candidato Pedro Paulo (PMDB), o debate promovido pela TV Globo na noite desta quinta-feira (29) teve muitas manifestações, risos e vaias por parte da plateia e chegou a ser interrompido algumas vezes. Numa delas, um espectador gritou, lembrando da acusação que envolve o candidato do PMDB em caso de agressão doméstica contra a ex-mulher: "Pedro Paulo bate em mulher!".

Na rodada de perguntas entre Pedro Paulo e o candidato do PRB, senador Marcelo Crivella, chamado recorrentemente pelo peemedebista de "Bispo Crivella", a mediadora do debate, jornalista Ana Paula Araújo, teve que reiniciar o tempo de réplica e tréplica por conta das manifestações do público que estava no estúdio. Crivella chegou a reclamar: "Eu quero meu tempo de volta porque tem uma desequilibrada aí que não me deixa falar", afirmou o senador.

Questionado sobre suas medidas para a segurança pública do Rio, Crivella disse que o pior problema de segurança da cidade "é a falta de respeitabilidade dos políticos do PMDB", mencionando o polêmico vídeo do prefeito Eduardo Paes entregando uma habitação para uma mulher. "Foi inventada até uma história de canguru perneta com uma senhora pelo prefeito", criticou, rebatendo as acusações de Pedro Paulo sobre a relação entre política e religião.

"Você me fala de misturar política e religião... políticos do PMDB misturam política com corrupção, com enriquecimento ilícito. Você, Pedro Paulo, tem idade para ser meu filho, mude de partido, procure um novo rumo e quem sabe amanhã, cuidando de si, você possa se candidatar para cuidar dos outros, as autoridades dessa cidade perderam a respeitabilidade", afirmou Crivella.

Na tréplica, Pedro Paulo reclamou que Crivella não respondeu a sua pergunta sobre segurança pública. "Acho que você ficou um pouco nervoso de não conseguir se dissociar do Bispo Macedo e da igreja".

Pedro Paulo também protagonizou fortes embates com Marcelo Freixo e voltou a ser acusado pelo candidato do Psol, com quem está tecnicamente empatado nas pesquisas de intenção de voto dos institutos Gerp, Datafolha e Ibope, de viver no "Planeta Pedro Paulo".

Freixo acusou a Prefeitura de publicar em contratos de concessão sobre saneamento básico que as empresas não serão obrigadas a fazer tratamento de esgoto em favelas, "as chamadas áreas de risco", lembrou o candidato do Psol. "Vocês anunciaram que fariam um teleférico na Rocinha, Pedro Paulo, e os moradores disseram que não, que queriam saneamento básico", disse Freixo, que mencionou ainda alguns problemas em obras públicas, como a queda da ciclovia Tim Maia, na Avenida Niemeyer, acusando a Prefeitura de contratar para a construção da ciclovia a Concremat, empreiteira que pertence a familiares do secretário de Turismo da cidade.

O candidato do Psol perguntou, ainda, por que os professores "odeiam" Pedro Paulo. Da plateia, a candidata a vice na chapa do peemedebista, deputada Cidinha Campos (PDT), se manifestou. "Cidinha, você não gosta de mim, mas sua neta gosta", brincou o candidato, parodiando a música 'Jorge Maravilha', de Chico Buarque. Na réplica, Pedro Paulo disse que Freixo não conhecia a cidade. "Você precisa sair da Praça São Salvador (no bairro de Laranjeiras), Freixo". O peemedebista foi vaiado pela plateia e ainda pediu direito de resposta depois das acusações de Freixo, mas a organização do debate não aceitou o pedido.

Na rodada de perguntas com Jandira Feghali (PCdoB), Pedro Paulo afirmou que há "de um lado uma candidatura de quem mistura política e religião e de outro lado a anarquia, um modelo que não deu certo". Em resposta, Jandira mencionou o apoio de Pedro Paulo ao impeachment de Dilma Rousseff e disse que ele não deveria ter coragem de pedir votos por ter desprezado os 54 milhões de votos que elegeram a ex-presidente da República em 2014. 

Na abertura do debate, Jandira também fez acusações contra a Rede Globo, "que apoiou o golpe contra a democracia". A jornalista Ana Paula Araújo, mediadora do debate, leu ao vivo, minutos depois, nota da TV Globo afirmando que a emissora "não é obrigada a realizar debates e faz isso por apreço à democracia". A jornalista disse, ainda, que a Globo se expõe para ser criticada ao vivo, mas que quem estava sob avaliação do telespectador ali eram os candidatos à Prefeitura.

A candidata do PCdoB afirmou que Pedro Paulo tem uma marca que "lamentavelmente" as mulheres não vão perdoar. "Você é agressor de mulheres e não pode comandar uma cidade de maioria feminina". Na réplica, Jandira foi acusada de constar na lista de propinas divulgada pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, nas investigações da Lava Jato. A candidata desafiou o peemedebista a provar as acusações contra ela. "A minha resposta é o meu imposto de renda, tenho 30 anos de vida pública sem uma mácula sequer. Você agride as mulheres dentro e fora da política".