Urnas biométricas serão usadas em 726 municípios

Nas eleições deste ano, 762 municípios, entre eles 15 capitais, usarão a biometria nas urnas eletrônicas para identificar os eleitores. Ao todo, 21,6 milhões de pessoas serão identificadas pelo método, o que significa 15% do total de eleitores do país.

Mesmo com a identificação biométrica, os eleitores devem levar um documento com foto na hora da votação. Pelo novo sistema, são feitas oito tentativas de leitura das digitais para cada eleitor. O índice de problemas com esse tipo de identificação, no pleito de 2010, chegou a 4%. A Justiça Eleitoral considera a margem razoável, mas o eleitor que cair nesse percentual só poderá votar se puder ser identificado pelos mesários pelo método tradicional e manual, que será possível com o documento em mãos.

Apesar do aumento da segurança, a inclusão do novo procedimento pode aumentar o tempo que o eleitor levará para votar. De acordo com o Departamento de Tecnologia do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), nas últimas eleições majoritárias, quando a biometria atingiu um universo de 13 milhões de eleitores a menos, o tempo de votação com o novo sistema foi 20 segundos a mais.

Técnicos do TSE estimam que com as melhorias e os testes feitos desde 2008, cada eleitor deve gastar, este ano, cerca de 1 minuto e 14 segundos para votar, cinco segundos a mais do que o registrado na última eleição majoritária.

No Distrito Federal, onde todos os eleitores serão identificados pelas digitais, a expectativa é que a votação seja concluída por volta das 19h, duas horas depois do horário oficial de fechamento dos portões das seções.

O Tribunal Regional Eleitoral tomou algumas medidas para diminuir os atrasos, como o limite de 400 eleitores por seção para evitar o aumento das filas, e a proibição de entrega de justificativas nas seções de votação.