Aécio cobra de Dilma explicações sobre comprovação do pagamento aos Correios

"Temos as melhores condições de vencer o PT no segundo turno", disse o candidato

O candidato à Presidência da República pela Coligação Muda Brasil, Aécio Neves, cobrou da presidente e candidata à reeleição Dilma Rousseff esclarecimentos à nação sobre o pagamento de serviços dos Correios e o porquê de não constar na prestação de contas de sua campanha à Justiça Eleitoral. 

O pedido de explicações de Aécio foi feito em entrevista concedida durante a primeira visita das quatro comunidades em que esteve nesta sexta-feira (4), na região metropolitana de Belo Horizonte. Ele fez caminhada e corpo a corpo ao lado de Pimenta da Veiga, que concorre ao governo de Minas Gerais, e Antonio Anastasia, que disputa o Senado, além de correligionários.

Para Aécio, quando surgiu a primeira denúncia de utilização indevida dos serviços postais por parte de candidaturas do PT, os Correios apressaram-se em dizer que haviam recebido da campanha de Dilma, no dia 29 de agosto, o pagamento por serviços prestados. A suspeita era de utilização dos serviços sem chancela, sem a devida comprovação. 

"Tive o cuidado de examinar as prestações de contas da candidata Dilma Rousseff, e nas prestações de contas do dia 2 de setembro, onde deveriam constar todos os pagamentos feitos até 31 de agosto, não consta nenhum pagamento para a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos", ressaltou.

Aécio reiterou o compromisso de desonerar de PIS e Cofins as empresas de saneamento básico para facilitar investimentos em regiões carentes de infraestrutura. Ele disse que, se for eleito, fará isso em parceria com os governos estaduais e prefeituras. "Obras que neste governo foram atrasadas no nosso governo terão começo, meio e fim." Também afirmou que atrairia o capital privado para esses investimentos.

O candidato tucano ressaltou que está otimista em relação às urnas. "Eu acredito que temos as melhores condições de vencer o PT no segundo turno e, mais do que isso, de dar ao Brasil um governo eficiente, um governo com liderança política, um governo com experiência para enfrentar o grande caos que nós vamos encontrar na economia brasileira, um governo com gente qualificada para melhorar nossos indicadores sociais."