Dilma faz carreata "silenciosa" com elite petista em SP 

A presidente e candidata à reeleição pelo PT Dilma Rousseff fez uma carreata “silenciosa” na tarde desta sexta-feira no centro de São Paulo. A petista apenas acenou para os milhares de militantes presentes na rua Barão de Itapetininga, já que a lei eleitoral não permite comício e discursos a dois dias das eleições. Ao lado de Dilma estiveram o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o prefeito da capital Fernando Haddad, o candidato petista ao governo do Estado Alexandre Padilha e o senador e candidato à reeleição Eduardo Suplicy.

Dilma chegou de helicóptero e pousou no prédio da prefeitura com duas horas de atraso. A candidata estava em São José dos Campos fazendo campanha. Com centenas de bandeiras e uniformizados, desde as 11h os militantes aguardavam ansiosamente pela presidente. Ela subiu em uma caminhonete por volta das 14h e, ao som de seu jingle, percorreu poucos quarteirões por cerca de 30 minutos.

Ao chegar no ponto determinado, no Teatro Municipal, os eleitores gritaram um jargão já conhecido entre os petistas. “É Dilma lá. Padilha aqui. E no Senado Eduardo Suplicy”, referindo-se às três principais candidaturas do partido nas eleições.

Ao longo do trajeto, Dilma cumprimentou eleitores e tirou algumas fotos, sempre em cima do carro. Em determinado momento da carreata, algumas pessoas, no alto de um dos prédios da rua, fizeram gestos obscenos para os militantes. Prontamente os eleitores petistas responderam, chamando os autores dos xingamentos de “coxinha”. Além disso, outros eleitores mostraram notas de dinheiro, em protesto contra a corrupção. Apesar do tumulto por conta do excesso de pessoas não houve confusão. O ponto final do trajeto foi a praça da República.

Neste sábado, um dia antes das eleições, Dilma deve fazer ainda uma caminhada em São Bernardo do Campo, tradicional no Partido dos Trabalhadores. O ex-presidente Lula e o candidato ao governo do Estado Alexandre Padilha também deverão participar do evento.