'El País': Aproximação com os Estados Unidos é aposta na campanha de Marina

Coordenador de campanha de Marina teria criticado posicionamento global de Dilma

Maurício Rands, um dos coordenadores do programa da candidata presidencial Marina Silva (PSB), teria defendido uma postura mais construtiva do Governo brasileiro em relação aos Estados Unidos, como apontou o jornal espanhol El País em matéria deste sábado (27). De acordo com a notícia, em o lugar nem o contexto do discurso foram casuais: Rands estaria participando de um colóquio em Washington, em um fórum empresarial. O discurso teria surgido em um momento onde as relações entre Brasil e Estados Unidos ainda não se recuperaram plenamente após a relação entre os países ter sido abalada há um ano pela revelação de espionagem norte-americana sobre a atual presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição.

O jornal afirma que Maurício Rands, durante seu mandato como deputado pelo Partido dos Trabalhadores (PT), integrou o grupo Brasil-EUA e apresentou à Câmara um projeto para eliminar a dupla tributação que havia entre os dois países americanos. Agora, segundo o jornal, Rands estaria levando a mensagem de que Marina é o símbolo da mudança acerca das relações abaladas para um público integrado por representantes de grandes empresas dos dois países e de órgãos do Governo Obama.

O discurso de Rands teria sido conciliador na esfera diplomática e paralelo às demandas dos empresários norte-americanos que tem algum tipo de interesse no Brasil. Admitindo que não seria uma tarefa fácil, o ex-deputado apostou em esforços para chegar inclusive a um tratado de livre comércio entre a primeira e a sétima economia mundial, se mostrando confiante ao induzir que esse acordo seria facilitado com uma nova liderança presidencial no Brasil.

O jornal de Madrid diz que Rands comparou Obama e Marina ao afirmar que as campanhas presidenciais dos dois eram sobre mudança e esperança e lembrou também que, caso eleita nas eleições de outubro, a candidata do PSB será a primeira presidente negra do Brasil – tal qual foi Obama nos Estados Unidos.

Rands também teria feito críticas ao discurso que a candidata à reeleição Dilma Rousseff fez na última quarta-feira (24), em ocasião da Assembleia Geral da ONU. Rands teria lamentado que a presidente estivesse parecendo mais preocupada com outros assuntos que não os de temática global. O coordenador de campanha criticou uma postura pouco ativa do Brasil no combate ao terrorismo internacional – mas, segundo o jornal, evitou relacionar a questão com a situação do Estado Islâmico. De acordo com Rands, o papel global do Brasil estaria ainda muito limitado.

*Do programa de estágio JB