Brasil não precisa de 'choque fiscal' para cumprir superávit, afirma Dilma

Durante evento de campanha em Feira de Santana, na Bahia, nesta quinta-feira (25), a presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, afirmou que o Brasil não precisa de “choque fiscal” para cumprir a meta fiscal de superavit primário. “Nós não acreditamos em choque fiscal. Isso é uma forma incorreta de tratar a questão fiscal no Brasil. Vai fazer choque fiscal, vai cortar o quê? Vai cortar programa social? Vai cortar Bolsa Família? Vai cortar subsídio do Minha Casa, Minha Vida como estão dizendo? Vão fazer o quê? Choque fiscal é o quê? É um baita ajuste que se corta para pagar juros para os bancos? Não é necessário”, afirmou.

Dilma acrescentou que o Brasil "não está desequilibrado, não tem crise cambial", e afirmou que a candidata do PSB, Marina Silva, propõe "um modelo de política econômica extremamente conservador e neoliberal", que atenderia "prioritariamente os bancos".

Dilma destacou ainda as ações no combate à seca no Nordeste durante o seu governo e o de Lula. "O Nordeste teve uma das maiores secas dos últimos tempos. Pela primeira vez, diante de uma seca destas proporções, a oferta de água se tornou uma bandeira para nós. Conseguimos passar por ela com base nas políticas de proteção social, que foram capazes de garantir renda; e nas ações emergenciais, que construiu cisternas e comprou 1.600 carros-pipa”, disse.