Paulistanos elegem prioridades do próximo prefeito: saúde e transporte

Qual deve ser a maior prioridade do prefeito que será eleito em São Paulo no próximo dia 28 de outubro? Na contagem regressiva para a escolha do futuro mandatário da cidade, o Terra foi às ruas ouvir a opinião de eleitores sobre o que consideram essencial para a maior cidade do país.

Foram 40 entrevistas com moradores em diferentes bairros da cidade, em pontos de grande circulação de pessoas no Tatuapé (zona leste), Bom Retiro (região central), Santana (zona norte) e Santo Amaro (zona sul). Não se trata de amostra com valor científico, mas uma iniciativa para que os próprios paulistanos expressem suas opiniões e anseios de forma livre.

Tampouco os assuntos foram limitados com base no que seja responsabilidade direta do poder municipal. Assim, em alguns casos, opiniões abordaram ou foram contextualizadas com temas que dizem respeito a outras esferas de poder. A maior parte dos entrevistados citou saúde, transporte e educação como prioridades para o próximo prefeito.

"Caso eu pudesse ser prefeito, investiria o dinheiro da construção e reforma de estádios para a Copa do Mundo todo na saúde. Num hospital que tem na Cidade Tiradentes, por exemplo, você chega para ser atendido as 13h e só consegue sair de lá as 3h da madrugada", desabafou Wellington Silva, morador da Cidade Tiradentes.

Moradora de Moema, Anita Rapport, 72, citou a saúde para expressar o seu descontentamento com o que considera falta de retorno do pagamento de impostos. "É preciso atender o ser humano como ele merece, e não deixá-lo jogado pelos corredores de um posto de saúde ou hospital. Todos nós pagamos impostos e ninguém recebe retorno disso, principalmente na saúde."

Já na opinião do aposentado Mecias Tales, morador de Santo Amaro, a segurança deve ter atenção prioritária do poder público. Ele propõe uma sugestão colaborativa que envolva a população. "Como prefeito, antes de qualquer coisa, eu criaria programas de incentivo para as pessoas cooperarem com o trabalho dos policiais. De nada adianta ampliar o policiamento se as pessoas não colaborarem para manter uma ordem na cidade", opinou Tales.

Francinalda Maria da Silva, 40 anos, mora em Guaianases e defende que o prefeito deve priorizar a educação, "investindo na qualidade e melhora dos salários dos professores". "Seria uma forma de fazê-los trabalhar mais satisfeitos", ponderou.

A estudante Thatiana Moreira, 19, vai votar pela primeira vez e pede mais atenção aos jovens. "Como prefeita, me preocuparia mais com os jovens, principalmente com o ensino deles. Não deixaria mais as salas de aula lotadas e faria uma reforma nas unidades de ensino. Um lugar limpo, com visual bacana, já motiva os adolescentes a estudarem".