Debate para a prefeitura do Recife tem ataques e poucas novidades 

O debate entre os candidatos a prefeito do Recife realizado pela Rede TV! trouxe poucas novidades ao eleitor da capital pernambucana. Os quatro candidatos que participaram, Geraldo Júlio (PSB), Humberto Costa (PT), Daniel Coelho (PSDB) e Mendonça Filho (DEM), repetiram propostas ou críticas que já haviam sido feitas em outros embates ou mesmo no programa eleitoral gratuito.

Os candidatos, por sua vez, foram críticos um em relação um ao outro. Geraldo Júlio chegou a protagonizar um dos momentos mais tensos do debate ao dizer a Humberto Costa que, já o tinha monitorado, e ele não era muito bom no executivo. "Como parlamentar, sim, mas não como secretário", disse, em tom que misturou ironia com indiferença. Geraldo foi secretário de Planejamento do primeiro governo Eduardo Campos, momento em que Humberto foi secretário de Cidades.

Humberto Costa manteve sua postura de explorar seu currículo de político e gestor experientes, mas revelou nervosismo com o tom agressivo de Geraldo Júlio ao construir frases sem concordância nominal. Seu melhor momento foi quando ironizou as qualidades apresentadas como do candidato do PSB. "Geraldo gosta de dizer que criou tudo no mundo, mas quem fez as academias da cidade fui eu".

No campo das acusações e críticas, ninguém superou Daniel Coelho (PSDB). O candidato que mantém uma trajetória ascendente nas pesquisas de intenção de voto, repetiu seus jargões de campanha e repetidas vezes bateu na tecla de que o PSB e o PT governam juntos a Prefeitura do Recife. Sua estratégia é desconstruir algumas propostas apresentadas por Geraldo Júlio. Ele faz isso associando as semelhanças entre o candidato do PSB com o prefeito João da Costa (PT). "Eles promete que vai construir um boca de coisas, o prefeito João da Costa também prometeu e não fez nada", acusou.

Entre os candidatos, Mendonça Filho foi o que menos aproveitou o debate para acrescentar novos dados ao seu perfil. Como Daniel Coelho, insistiu na associação dos candidatos do PT e do PSB como responsáveis pela atual gestão da Prefeitura do Recife. Tentou uma pegadinha ao perguntar a Geraldo Júlio sobre a comunidade Vila Brasil, mas não obteve sucesso. Também voltou a lembrar que foi co-responsável pelos dois mandatos do ex-governador Jarbas Vasconcelos (PMDB).

Trinta minutos antes do início do debate, o candidato a prefeito pelo PCB Roberto Numeriano chegou ao Empresarial JCPM, onde o debate se realizada, com uma decisão em caráter liminar assinada pelo juiz-substituto da propaganda eleitoral Abelardo Tadeu da Silva Santos, determinando que ele participasse do debate. Ele não conseguiu ultrapassa a primeira barreira de segurança.

Do lado de fora do prédio em um dos endereços comerciais mais valorizados do Recife, grupos de militantes do PSB e do PT revezavam com refrões e coreografias em apoio às respectivas candidaturas. Houve momentos em que os militantes do PSB superaram os do PT em número, mas ao final do debate, o equilíbrio numérico foi restabelecido.