Serra diz que é vítima de ataques em ônibus de São Paulo

José Serra, candidato do PSDB à prefeitura de São Paulo, disse neste domingo ser vítima de ataques em ônibus da capital. Sem acusar responsáveis, Serra afirmou que há interessados em espalhar boatos de que ele não iria cumprir os quatro anos de mandato caso fosse eleito, o que fez em 2006 para concorrer à presidência. A acusação, seguida de promessa de que cumpriria os quatro anos desta vez, foi feita no evento "Fala Juventude", promovido por seu partido. Ele também criticou o PT em discurso.

"Tem gente espalhada nos ônibus fazendo isso. Como não tiramos fotografia e não se gravou, não dá para documentar. Então não posso ir além do que dizer isso", acusou Serra. Questionado sobre quem seria responsável, ele evitou: "há outros interessados, não é apenas uma candidatura", afirmou. O tucano demonstrou irritação quando perguntado o porquê de reafirmar, ao público, que irá cumprir o mandato.

"Vocês vivem perguntando isso, a imprensa só pergunta isso desde antes de eu sair", respondeu Serra. Ao ser perguntado se iria levar a promessa aos programas políticos, ele disse: "não discuto estratégia de horário eleitoral com a imprensa, desculpe". Anteriormente, em discurso aos cerca de 300 presentes, José Serra havia falado: "vou pegar a prefeitura e governar por todo o mandato. Se eu for muito bem depois do mandato, quem sabe o que vida vai reservar".

Em contato com o público, Serra também se lembrou de episódio passado em disputa contra o PT. "Inimigos tentaram montar armadilhas. A maior delas foi o dossiê dos aloprados, uma invenção organizada pelo (Aloízio) Mercadante (então concorrente ao governo de São Paulo)". Em outro momento, afirmou que "ninguém acerta 100% do tempo na vida pública. O mais importante é acertar mais que errar. Conheço gente com tanto medo e cautela que não faz nada".

De acordo com o candidato, sua principal proposta para os jovens, na pauta do domingo, é relacionada à cultura. "A criação em toda a cidade dos centros culturais da juventude, a exemplo daquele que fizemos quando fui prefeito, na Vila Nova Cachoeirinha com a Brasilândia e se chama hoje Centro Cultural da Juventude Ruth Cardoso. É um ponto de encontro, de leitura, de internet e aprendizado de artes em uma das regiões mais carentes da cidade".