Justiça impede candidatura do Psol à prefeitura de João Pessoa 

A Justiça Eleitoral indeferiu o registro da chapa majoritária do Psol à prefeitura de João Pessoa. De todos os candidatos a prefeito analisados, apenas os nomes de Renan Palmeira e sua vice, Ana Júlia, não foram homologados. Segundo o TSE, o impedimento é pela ausência de certidão de quitação eleitoral por parte da candidata a vice. O Psol ainda pode recorrer da decisão.

Conforme as informações reunidas no processo, Ana Júlia não prestou contas de sua campanha nas eleições de 2010, razão pela qual ficou impedida de obter documentação exigida por lei (Certidão de Quitação Eleitoral). Havendo indeferimento de um dos candidatos da chapa majoritária, a Justiça Eleitoral estende a decisão a toda a chapa, com base no disposto no art. 50 da Resolução nº 23.373/2011, do TSE.

O candidato Renan Palmeira minimizou o motivo do indeferimento e chamou o processo de "burocracia da justiça". "Isso é um procedimento normal, tem possibilidade de recorrer. Falta um documento da Ana na eleição passada. Na segunda vamos apresentar o requerimento para análise. A candidatura continua e nossa equipe de advogados já analisou o processo", explicou.

Segundo ele, Ana, que também foi candidata à vice na campanha do Psol pelo governo da Paraíba em 2010, não prestou contas porque não houve despesa. "No entender da Ana, ela seguiu a agenda do governador na época. Não houve material de campanha para ela, a vice. Não reconheceram a prestação de contas, mas ela refez agora. É um problema que pode ser resolvido. É a burocracia da justiça", disse.