Villaverde critica Fortunati e promete gestão de verdade em Porto Alegre

Na busca por retomar uma hegemonia que durou 16 anos e foi interrompida em 2004 com a eleição de José Fogaça, o PT formalizou neste domingo a candidatura do deputado estadual Adão Villaverde para voltar à prefeitura de Porto Alegre. Em seu discurso, o candidato petista fez duras críticas a gestão do prefeito José Fortunati (PDT) e disse que fará uma "administração de verdade" na capital gaúcha.

"Fogaça (ex-prefeito) e Fortunati não melhoraram o que não estava bom e pioraram o que estava bom. Porto Alegre não está sendo pensada estrategicamente. Precisamos de um projeto de três, quatro décadas para a cidade e nós vamos fazer isso. Não vamos esperar oito anos para abrir canteiros de obras na véspera da eleição. Buscaremos recursos e desenvolvimento sustentável para que Porto Alegre, neste bom momento que vive o Estado e o Brasil, tenha uma administração de verdade", garantiu Villaverde.

O evento contou com a presença dos quatros ex-prefeitos petistas da cidade, da ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário (PT), do presidente da Câmara dos Deputados Marco Maia (PT) e de lideranças de PTC, PPL e PR, partidos que compõem a base de apoio a Villaverde.

"Muito antes de o Brasil ter escolhido Lula, Porto Alegre o escolheu. Hoje temos oportunidade olhando para frente de um resgate político da nossa história. A cidade precisa retomar sua posição estratégica, ser global e criar um modelo de desenvolvimento social e educacional", afirmou o governador do Rio Grande do Sul - e um dos ex-prefeitos da capital - Tarso Genro (PT).

Participação de lideranças nacionais não é garantida

Questionado sobre a ausência de lideranças nacionais na convenção que oficializou a candidatura de Villaverde, o presidente estadual do PT, Raul Pont afiançou que todo o partido está fechado com o deputado estadual. "A candidatura do Vila é a candidatura do Lula, da Dilma, do Tarso". Entretanto, o dirigente disse que a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na campanha dependerá de sua agenda e de suas condições de saúde.

A questão gera dúvidas uma vez que os dois principais concorrentes dos petistas, José Fortunati (PDT) e Manuela D'ávila (PCdoB) pertencem a partidos que são parceiros do PT na esfera estadual e nacional. O ex-governador e ex-prefeito Olivio Dutra (PT) afiançou que a presença de lideranças nacionais não é fundamental para o crescimento de Villaverde. "O fundamental é que Vila consiga encantar a população. Se as lideranças vierem, elas acrescentam, mas não são imprescindíveis".