Chalita fala em 'inspiração divina' e ataca Serra e Haddad

Com um discurso repleto de mensagens bíblicas e religiosas, o pré-candidato do PMDB à prefeitura de São Paulo, Gabriel Chalita, oficializou neste domingo sua candidatura ao cargo na Praça da Sé, em São Paulo.

Antes mesmo de Chalita falar aos militantes do partido, diversos outros políticos do PMDB já faziam referências à fé e a Deus para elogiar o pré-candidato. Não foi diferente com o vice-presidente da República, Michel Temer, que usou "inspiração divina" para dizer que Chalita receberá entre "quatro e cinco milhões de votos" nas eleições.

"Religião significa religação. O povo se ligará a você (Gabriel Chalita) com certamente quatro ou cinco milhões de voto. Tenho certeza disso. Eu quero dizer que nós assistimos uma missa (na Catedral da Sé) que falava dos migrantes que vieram para São Paulo. Esses migrantes votaram em você (Chalita) com inspiração divina", afirmou.

Último a discursar, Chalita usou passagens bíblicas e também disse que o tempo na capital paulista está bom, justamente no dia de sua convenção, por um "presente de Deus".

"Nós já começamos a campanha bem suada por causa da chuva que teve em São Paulo na última semana. E hoje, Deus nos dá esse sol de presente", afirmou.

No entanto, o peemedebista também aproveitou para cutucar os concorrentes. Ele criticou o uso da máquina pública nas eleições, em referência a José Serra, que tem o apoio do governo do Estado, e Fernando Haddad, pré-candidato do governo federal.

"Não temos máquina pública ao nosso favor, que, aliás, tem sido usada de forma indecente e para fins eleitorais nessas eleições".

Além disso, sem mencionar Haddad, Chalita também aproveitou a polêmica em torno da aliança entre PT e PP. "Vou ser candidato da fé, do respeito, da aliança correta", ironizou.