Na TV, Dilma fala de sua trajetória e Serra ressalta desafios

A propaganda eleitoral na TV da presidenciável petista Dilma Rousseff utilizou um direito de resposta concedido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para rebater acusações de José Serra (PSDB) de que a candidata estaria ligada a pessoas "supostamente envolvidas em irregularidades em uma estatal".

"A verdade é que a trajetória de Dilma sempre se pautou com os mais elevados princípios éticos. Nos últimos 25 anos, elas ocupou os mais altos cargos (...) e jamais foi acusada de cometer ou compactuar com qualquer irregularidade", afirmou o narrador.

Durante o horário eleitoral desta noite de quinta-feira (28), o programa de Dilma relembrou a pesquisa do Instituto Sensus encomendada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), divulgada na última quarta-feira (27). Nessa contagem dos votos válidos, Serra tem 41%, enquanto Dilma tem 58% - 17 pontos de vantagem.

A três dias das votações para a escolha do presidente, a campanha petista adotou um tom emotivo. No início do programa, o locutor contou sobre a conquista do Palácio do Planalto pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Depois, ele disse que "as pessoas querem sonhar de novo e querem eleger uma brasileira para a presidência", ao se referir à candidata Dilma Rousseff.

Serra

O adversário direto na disputa pela presidência José Serra (PSDB) destacou os desafios que o sucessor de Luiz Inácio Lula da Silva vai enfrentar e apontou os principais setores que precisam ser melhorados, entre eles, a saúde, a educação e a segurança. "O grande desafio do próximo presidente é a educação. Por quê? Porque é o futuro das nossas crianças e também o futuro do Brasil", disse.

Serra ressaltou que os eleitores jovens estão desiludidos com a grande quantidade de escândalos no governo, mas que sente uma esperança para enfrentar os obstáculos do País, independentemente de partidos políticos.

O programa também lembrou a trajetória do tucano e afirmou que Serra veio de família pobre. "Eu conheço a vida das famílias mais pobres, não por ouvir dizer, mas porque eu vivi (...) Tudo o que eu fiz na minha vida foi pelos mais pobres", afirmou o candidato.