Em Santa Catarina, Michel Temer prega cautela em fim de campanha

O deputado federal Michel Temer (PMDB), vice na chapa de Dilma Rousseff (PT) na disputa pela presidência, condenou o clima de "já ganhou" e pregou que é necessária "muita cautela" nesta reta final de campanha, apesar das pesquisas apontarem a liderança da candidata governista.

Temer participou de um encontro com militantes do PT e PMDB de Santa Catarina em um hotel de Florianópolis. Na opinião dele, o "endurecimento" da campanha faz com que as lideranças políticas que defendem Dilma adotem uma "postura de muita cautela".

"Sabemos que a eleição só se ganha quando as urnas são lacradas, no final da tarde de domingo (31)", disse. "Estamos animados com os resultados das últimas pesquisas e com nosso trabalho, mas é necessário ter cautela nesta reta final".

O vice de Dilma esteve acompanhado do ex-governador Paulo Afonso Vieira, do prefeito de Florianópolis Dário Berger, ambos do PMDB, e da senadora petista Ideli Salvatti (PT), coordenadora da campanha de Dilma em Santa Catarina. Cerca de 500 correligionários acompanharam o evento, o que deixou Temer animado. "Essa mobilização mostra que o PMDB catarinense é fiel e me faz acreditar que conseguiremos vencer também no Estado", afirmou.

Em seu pronunciamento, o peemedebista destacou que não apoia eventuais propostas de criação de conselhos de comunicação no país. Ele disse que os "exageros" da mídia integram o "processo democrático" e ressaltou que o programa de governo de Dilma Rousseff defende a liberdade de imprensa. "Logo no primeiro item o programa defende a democracia, que abrange a liberdade de imprensa, de manifestação religiosa e pessoal", disse. "Sempre lutamos pela democracia política e com o governo Lula, da qual o PMDB faz parte, conseguimos avançar na democracia social".

Michel Temer ainda comentou a situação do PMDB catarinense, dividido entre o apoio a Dilma e ao candidato José Serra (PSDB). Ele destacou que pretende procurar os principais peemedebistas dissidentes, os eleitos para o cargo de senador Luiz Henrique da Silveira e de vice governador, Eduardo Pinho Moreira, para tentar "reunificar" a legenda. "Confio plenamente no resultado das eleições e o próximo passo será reunificar o PMDB", afirmou.