Dilma ganha tempo de Serra para responder sobre Eletrobras

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) concedeu, nesta terça-feira (26), direito de resposta parcial à coligação Para o Brasil Seguir Mudando, da presidenciável petista Dilma Rousseff. A propaganda de Dilma ganhou um minuto de televisão no bloco noturno da propaganda eleitoral gratuita de José Serra (PSDB).

A coligação da petista questionou a propaganda veiculada pelos tucanos em 21 de outubro. Os ministros concederam parcialmente o pedido de resposta, que pedia o direito para dois trechos da propaganda da coligação O Brasil Pode Mais, de Serra.

O relator, ministro Joelson Dias, entendeu que não haveria, no primeiro trecho reclamado, motivo para conceder direito de resposta. No trecho, a propaganda tucana compara uma suposta agressão ao candidato José Serra em campanha em Campo Grande, no Rio de Janeiro, a agressão sofrida pelo então governador de São Paulo, Mario Covas, em maio de 2000, em São Bernardo do Campo. De acordo com o relator, não houve uso de nenhum recurso técnico "que possa sugerir uso de afirmação inverídica". O ministro afirmou que a coligação de Serra "tem legitimidade de interpretar os fatos que a seu ver estariam a configurar a repetição de um comportamento".

Sobre o segundo trecho questionado pela coligação de Dilma, no qual a coligação tucana reproduz denúncias veiculadas na imprensa que pesariam contra o ex-diretor da Eletrobras Valter Cardeal, o ministro atendeu ao pedido de direito de resposta.

O relator afirmou que, ao relacionar os protagonistas do caso Eletrobras com Dilma, a propaganda sugere que Dilma estaria envolvida no caso.