Deputado petista usou infiltrados na campanha de Dilma, diz jornalista

 

O jornalista Amaury Ribeiro Jr., que prestou depoimento à Polícia Federal, acusou o deputado estadual petista Rui Falcão, de São Paulo, de ter utilizado "infiltrados" para monitorar a campanha da ex-ministra Dilma Rousseff (PT) à presidência da República. A informação foi passada ao Terra pelo vice-presidente executivo do PSDB, Eduardo Jorge, que obteve acesso aos autos. Essas pessoas, cuja identidade não foi revelada pelo jornalista na oitiva, são apontadas por Amaury como as responsáveis pelos vazamentos de informações confidenciais do QG dilmista em Brasília.

Na fase de pré-campanha, Falcão disputava com o jornalista Luiz Lanzetta um futuro contrato para os serviços de comunicação da campanha de Dilma ao Palácio do Planalto. No início do ano, Lanzetta convidou Amaury Ribeiro Jr. para integrar a campanha de Dilma, mas pediu demissão após a revelação de quebra ilegal de sigilos fiscais de pessoas ligadas ao PSDB, entre as quais Verônica Serra, filha do presidenciável José Serra.

Silêncio

No depoimento prestado à PF, o jornalista Amaury Ribeiro Jr. passou a maior parte do tempo calado. "O silêncio do ora requerente não importa confissão nem tampouco poderá ser interpretado em seu prejuízo. Amaury nega terminantemente que tenha praticado qualquer delito no lídimo desempenho de sua atividade de jornalismo investigativo", disse o advogado do jornalista, Tracy Joseph Reinaldet.

Em outro depoimento à PF, Amaury já dissera ter "certeza" de que Rui Falcão foi o responsável por pegar de seu computador em um quarto de hotel os documentos que registravam declarações confidenciais de pessoas ligadas ao PSDB.