Para PMDB-SC, lideranças dissidentes destroem o partido

 

O presidente do PMDB de Santa Catarina, deputado federal João Matos, cobrou fidelidade dos peemedebistas catarinenses à campanha de Dilma Rousseff (PT) na corrida pela presidência da República. Ele ainda acusou dissidentes apoiadores de José Serrra (PSDB) de destruírem o partido.

Em nota divulgada na tarde desta terça-feira (19), o líder peemedebista condenou a atitude de algumas lideranças que declararam apoio ao tucano. A crítica foi dirigida especialmente ao senador eleito Luiz Henrique da Silveira, coordenador de campanha de Serra no estado.

"A indisciplina e a infidelidade partidárias nos destroem como instituição", disse. "Me insurjo contra qualquer gesto, comportamento ou ação de peemedebista que desobedeça nossa Convenção Nacional, fazendo campanha para a candidatura adversária".

Matos destacou que a dissidência de lideranças catarinenses estaria abrindo um precedente perigoso para outras campanhas. "No futuro, nenhum companheiro se sentirá vinculado às decisões das convenções municipais e estadual. Cada um fará campanha para quem bem entender sem que isso possa lhe acarretar qualquer punição", afirmou. "A quem interessa a derrota do PMDB? A quem interessa que o nosso partido não tenha o próximo vice-presidente da República?".

O presidente do diretório catarinense citou o ex-governador paranaense Roberto Requião, para defender a obediênca partidária e pedir que os filiados trabalhem por Dilma e seu vice Michel Temer. "O ex-governador Roberto Requião, que disputou e perdeu a indicação para a Presidência da República, submeteu-se à decisão e foi um dos mais importantes apoiadores da chapa Dilma-Temer no estado do Paraná".

O racha do PMDB catarinense foi motivo de muita polêmica, gerando inclusive a ameaça de intervenção no início da campanha. O senador eleito Luiz Henrique e a grande maioria dos parlamentares eleitos aderiram à campanha de Serra. Do outro lado, o ex-governador Paulo Afonso Vieira e o presidente do partido, João Matos, permanecem ao lado da candidata do PT.