Na TV, Serra diz ser continuidade; artistas mostram apoio a Dilma

O candidato tucano à presidência José Serra afirmou em seu programa eleitoral da TV na noite desta terça-feira (19) que "não tem nada pior que governo que entra e interrompe tudo o que foi feito de bom" e ressaltou que vai dar continuidade às obras e projetos que já estão dando certo no Brasil. "Aprendi na vida que continuidade é responsabilidade", disse.

Por outro lado, Serra reforçou que "algumas coisas não podem continuar no Brasil". "Os escândalos da Casa Civil, não pode continuar. O desvio do dinheiro público não pode continuar, as invasões de terra não podem continuar", afirmou, relembrando episódios em que aliados do governo estiveram ligados a denúncias de desvio de verbas e tráfico de influência.

O programa tucano teve a presença do ator Juca de Oliveira, do pastor Valdemiro Santiago e do político verde Fernando Gabeira, que decidiu apoiar Serra, apesar da neutralidade apontada por seu partido no segundo turno.

Sua adversária direta, a petista presidenciável Dilma Rousseff, por sua vez, contou com o apoio de depoimentos de personagens importantes da cultura brasileira, como Chico Buarque e Gilberto Gil, além de apresentar imagens de evento realizado na última segunda-feira (18), no Teatro Casagrande - Rio de Janeiro.

"Ela tem fibra, é inteligentíssima e tem sensibilidade social para tocar adiante", disse Chico. Já o ex-ministro da cultura afirmou que votou em Marina Silva (PV) no primeiro turno, mas que, no segundo turno, votará em Dilma: "acho que agora ela tem capacidade por ter vivido isso tudo e tem capacidade para levar tudo isso adiante".

Dilma repetiu o discurso do primeiro turno de exaltação dos oito anos de Governo Lula, comparando-o aos anos em que os tucanos estiveram liderando o Palácio do Planalto e voltou a falar do pré-sal e dos recursos gerados do petróleo, que serão distribuídos em prol da sociedade. "Vamos vender esse petróleo e esse gás para o mundo todo e arrecadar bilhões de dólares. Os recursos do pré-sal serão distribuídos entre as áreas de meio-ambiente, ciência e tecnologia, cultura educação, saúde e combate à pobreza", afirmou.