Dilma diz que participação do PMDB tem sido "excepcional"

Durante coletiva à imprensa, logo após desembarque em Goiânia, onde participa daqui a pouco de comício do candidato do PMDB ao governo do Estado, Iris Rezende, juntamente com o presidente Lula, a candidata Dilma Rousseff comentou a participação do PMDB em sua campanha. Ela rebateu críticas de que o partido não estaria inteiramente engajado no esforço de elegê-la presidente do Brasil. "Eu não considero que haja nenhum problema com o PMDB. Pelo contrário, até porque eu considero o meu vice um orgulho que eu tenho", disse ela. "Eu tenho como vice uma pessoa como Michel Temer, extremamente qualificada".

Dilma disse que não considera que o PMDB esteja com o pé em duas canoas. "Não é verdade, o PMDB, em sua grande maioria, tem apoiado a minha candidatura e tem sido um partido excepcional no que se refere à sua conduta", afirmou a candidata.

Perguntada sobre a ausência de seu vice, Michel Temer, em seu programa eleitoral da TV, Dilma negou que o peemedebista esteja escondido e voltou a repetir que o tem "na mais alta conta", "porque Michel é um líder político de extrema qualidade", disse ela.

Dilma lembrou que, como presidente da Câmara, Temer tem sido experiente, digno e íntegro. "Eu tenho o maior respeito também pela forma com a qual tem nos ajudado nesta campanha", afirmou Dilma, se referindo ao trabalho que o peemedebista fez em todo o Brasil para unir o PMDB em torno de sua candidatura.

"Muitas vezes você não consegue unificar todo o partido e o Michel foi em todos os Estados e conseguiu um movimento muito forte. Ele tem sido uma peça central na minha campanha", acrescentou Dilma. A candidata informou que considera muito importante a participação de Temer em seu programa eleitoral e que espera que ele apareça na televisão ao seu lado nos próximos dias.

Ciro

Especificamente sobre declarações de seu coordenador político de campaha, Ciro Gomes (PSB), sobre o PMDB, Dilma se mostrou irritada e disse que já havia respondido isso anteriormente. "Ele fez algumas declarações com as quais eu não concordo", disse, se referindo à fala de Ciro, de que Serra seria mais competente que ela para assumir a presidência da República.

"Nós estamos em outro momento. Ele sabe o momento especial. Ele não seria mais candidato e estava emocionado", acredita a petista. "A gente pode considerar que ele estava magoado", acrescentou Dilma, assegurando que a posição de Ciro em relação ao PMDB não deve ser mais a mesma de quando ele fez os comentários. Às vezes a pessoa exagera um pouco na fala".

Dilma garantiu que o PP e o PR também lhe dão a mesma segurança em relação ao apoio a sua candidatura. "Eu tenho uma experiência longa com ele. Nós participamos do mesmo governo", resumiu, garantindo que tem tido demonstrações de muita lealdade das legendas.

STM

Dilma também foi questionada sobre o julgamento da ação do jornal Folha de S. Paulo para ter acesso ao processo que a levou à prisão durante o período da ditadura militar. "Eu acho bom vocês olharem a revista que teve acesso a esses arquivos que estão criando essa celeuma. Eles estão lá na Universidade Estadual de Campinas", disse Dilma. A candidata se referiu a reportagem da revista Época onde contava sua história na época da luta armada.

Questionada se para ela haveria algum problema de os documentos se tornarem públicos, Dilma foi objetiva: "eu não tenho nenhum problema em relação a qualquer questão. Não vou tratar essa questão do Superior Tribunal Militar como questão real, sabe por que? Porque esses arquivos estão disponíveis na Universidade Estadual de Campinas e foram acessados pela revista", reafirmou a candidata, pedindo que a imprensa parasse de criar problema onde não existe.

Dilma desembarcou em Goiânia por volta das 6h da tarde, concedeu coletiva aos jornalistas e recebeu uma carta de reivindicações do Fórum de Habitação pelos Direitos Humanos do Estado de Goiás. Logo depois, a candidata se dirigiu para o setor Jardim Curitiba, onde dentro de alguns minutos participará do comício com Lula e Iris Rezende.