Jaques Wagner diz que Serra chegou ao segundo turno por conta de Marina

O governador reeleito da Bahia Jaques Wagner (PT) afirmou, nesta segunda-feira (18), durante reunião com parlamentares eleitos e reeleitos de sua coligação no Estado, que o segundo turno presidencial ocorreu por conta de Marina Silva (PV) e não pelo desempenho de José Serra (PSDB).

Segundo avaliação do petista, Serra "só fez cair" desde que os nomes dele e de Dilma Rousseff foram postos como candidato à presidência. Wagner voltou a repetir que estima alcançar para a sua candidata votação superior a 70% no Estado - a meta é chegar a até 75%. "Estou trabalhando desde o primeiro momento depois do primeiro turno, intensificando esse esforço no interior do Estado", disse o governador, que logo após a reunião no Hotel Catussaba, em Salvador, seguiu viagem para o Rio de Janeiro, onde participa de manifesto de intelectuais e artistas pró-Dilma.

Os petistas e aliados defiram a formação de duas comissões de parlamentares e mapearam o Estado, dividindo-o por regiões e deixando, em cada uma delas, o deputado mais votado como responsável pela campanha da presidenciável petista. A pretensão da coordenação de campanha de Dilma na Bahia é chegar a até 75% por conta de eventuais reveses em outros Estados - no primeiro turno, Dilma alcançou 62% na Bahia.

Uma comissão será responsável pela candidatura no interior, coordenada pelos deputados federais Nelson Pelegrino e Rui Costa, do PT, e pelos comunistas Alice Portugal e Daniel Almeida. Compõem ainda os estaduais petistas Marcelino Galo e J. Carlos. Outra comissão foi formada para conquistar os 400 mil votos que Marina Silva teve na capital, capitaneada pela senadora eleita Lídice da Mata (PSB) e pelos deputados federais Pelegrino, Márcio Marinho (PRB) e Amauri Teixeira (PT).