Governador baiano diz que Dilma é vítima de "fascismo"

O governador reeleito da Bahia, Jaques Wagner (PT), criticou que considerou "boataria" em relação à posição de Dilma sobre o aborto. "Eu acho sinceramente que certas pessoas estão tentando fazer uma coisa fascista. Eu não conheço ninguém que possa defender o aborto. Eu acho o aborto abominável, ruim para mulher, fisicamente e psicologicamente. O que nós defendemos é o planejamento familiar, acesso à educação sexual a todos, para que as pessoas possam decidir qual o tamanho de suas respectivas famílias", afirmou.

"O PT nasceu repleto de lideranças religiosas. O PT sempre dialogou com todas religiões. Sou judeu, dialogo com mãe de santo, com pai de santo, com padre, com pastor, com líderes espiritualistas. Eu duvido que tenha outro partido com tantos católicos e evangelistas praticantes como o PT. Nós fomos nascidos nas comunidades eclesiais de base. Alguém desconhece Leonardo Boff?", perguntou.

Marina

O governador defende ainda que Dilma incorpore ao seu programa de governo projetos de Marina Silva, candidata do PV, terceira colocada no primeiro turno. "Nós temos que reafirmar o nosso projeto político que está em curso no Brasil há oito anos e na Bahia, há quatro anos. Dilma representa um projeto em que eu acredito e o outro candidato representa um projeto, no qual eu não acredito. Tenho certeza das afinidades de pensamento entre Dilma e Marina e acredito que teremos acima de 70% da votação, no segundo turno, pelo menos aqui na Bahia".