Em Santa Catarina três cidades representam vantagem de Serra sobre Dilma

As três maiores cidades de Santa Catarina representaram, juntas, mais da metade dos 255 mil votos de vantagem de José Serra (PSDB) em relação a Dilma Roussef (PT) no primeiro turno da eleição presidencial no Estado.

Florianópolis, Joinville e Blumenau trouxeram 130.875 votos de vantagem para o candidato tucano. Em todo o Estado, Serra venceu por 255.595 votos de diferença sobre a adversária.

Apenas em uma das três cidades, o prefeito local apoiava a candidatura do PSDB: Blumenau, administrada por João Paulo Kleinübing (DEM), onde a vantagem registrada foi de 36 mil votos.

Em Florianópolis, o prefeito Dário Berger (PMDB) declarou apoio à candidata Dilma e chegou a acompanhar o vice Michel Temer em suas quatro visitas ao Estado durante a primeira fase da campanha. O desempenho da petista, entretanto, foi um dos menos expressivos entre as capitais. Com 67 mil votos, a petista ficou em terceiro lugar, atrás de Marina Silva (PV), com 70 mil, e José Serra, com 101 mil.

Maior colégio eleitoral

O maior município de Santa Catarina, administrado pelo petista Carlito Merss e alvo de uma visita do presidente Lula em setembro, registrou uma diferença de 60.366 votos em favor de Serra.

A exemplo de 2002 e 2006, a cidade tem sido decisiva nas eleições catarinenses: na disputa estadual, o candidato Raimundo Colombo obteve ali a expressiva vantagem de 130 mil votos sobre Ideli Salvatti, do PT. Em relação à candidata Angela Amin (PP), a vantagem chegou a 150 mil votos.

Para o coordenador do Pesquisas Sociais da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), professor Sérgio Saturnino, o fato das três cidades estarem em áreas mais industrializadas "facilitaria" o desempenho do candidato do PSDB. Ele avalia que a petista tem sido mais bem votada em áreas com menor índice de desenvolvimento social.

"Serra conquista mais votos em áreas urbanas e industrializadas, enquanto Dilma tem melhor desempenho em localidades mais dependentes de ações do governo", afirma, destacando que a rejeição do prefeito de Joinville teria contribuído para o fraco desempenho de Roussef na cidade.

"Pesquisas feitas pela própria universidade mostram que a população está descontente com a prefeitura. Isso obviamente refletiu na votação de Dilma em Joinville".

Descontentamento

Na opinião do professor, a expressiva votação de Marina Silva em Florianópolis, onde conquistou 28,6% e ficou à frente da candidata do PT não significa um fortalecimento do PV local.

"O voto dela era mais um voto de descontentamento com os demais candidatos do que um crescimento do partido", disse. "Ela era desconhecida, tinha apenas 10% dos votos, mas acabou apresentado um forte arranque na reta final. Mas o capital dela é mais eleitoral do que um capital político".