Contra polêmica do aborto, PT acusa Serra de liberar pílula

Brasília - Diante da manutenção da polêmica sobre uma eventual defesa do aborto por parte da candidata petista à presidência, Dilma Rousseff, o Partido dos Trabalhadores (PT) se mobiliza para promover uma contra-ofensiva aos ataques do tucano José Serra e colar na imagem do ex-governador de São Paulo o rótulo de ministro da Saúde que liberou a pílula do dia seguinte.

"Queremos desmascarar o debate. O aborto não pode ser o debate central na campanha. Há a constatação de que os próprios segmentos religiosos começam uma contra-ofensiva", afirmou o deputado Geraldo Magella (DF) que participa de reunião da Executiva Nacional do PT em Brasília. Nesta quarta-feira (7), a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) condenou publicamente o uso de temas religiosos como arma da campanha política.

"Não queremos reduzir a discussão do Brasil à questão do preconceito ou da utilização eleitoral do segmento religioso. Esse é o eixo central do adversário, autor inclusive de iniciativas para implantar o aborto no Brasil", disse o líder do PT na Câmara dos Deputados, Fernando Ferro, afirmando que a prática do aborto deve ser tratada como questão de saúde pública.

"Não vamos deixar que se explore com preconceito um tema tão importante quanto esse", completou o parlamentar.