PTB deve ficar neutro no segundo turno; deputados querem Dilma

O líder do PTB na Câmara dos Deputados, Jovair Arantes (PTB-GO), informou nesta quarta-feira (6) que a tendência da legenda é permanecer, por orientação do presidente do partido, Roberto Jefferson, neutra em nível nacional no segundo turno das eleições. Jefferson, que em maio havia declarado apoio ao tucano no primeiro turno, liberou as bancadas de congressistas na ocasião e dias antes do dia 3 de outubro anunciou que votaria em Plínio de Arruda Sampaio (Psol).

"A bancada teve uma renovação de 49% e essa eleição (do 2º turno) é outra. A tendência é continuar com Dilma", disse o parlamentar, que admitiu ter havido "sequelas" na legenda por conta do processo eleitoral e de ataques de petistas.

De acordo com Jovair, a formalização do apoio à Dilma só deverá ocorrer quando todos os deputados eleitos também forem consultados, o que ainda não ocorreu, e quando houver apoio majoritário sobre o peso político do embate que ele informa ter ocorrido entre PT e PTB nessas eleições.

"Política é feita de gestos, e a bancada sofreu ataques do PT. Há um certo ponto de mágoa. A bancada já decidiu apoiar o governo Lula em troca de nada. Agora a bancada vai tomar uma decisão de forma sincronizada", afirmou, evitando se manifestar, em nome do partido, sobre qual dos dois presidenciáveis que disputam o segundo turno - se Dilma Rousseff ou José Serra - seria melhor. "Não estamos colocando nossa discussão em um leilão de quem é melhor", comentou.

Para o líder do PT, Cândido Vaccarezza (PT-SP), "os partidos não controlam seus votos", tanto que nas eleições de 2002, por exemplo, Anthony Garotinho e Ciro Gomes, derrotados no primeiro turno na ocasião, apoiaram Lula e ainda assim "a transferência de votos não foi total".