Imprensa internacional destaca segundo turno e vitória 'insuficiente' de Dilma

     SÃO PAULO - As eleições no Brasil foram destaque na imprensa internacional. Os jornais apontaram a necessidade de segundo turno, ressaltando que os votos de Dilma Rousseff (PT) não foram suficientes para a vitória definitiva. A candidata Marina Silva (PV) também foi lembrada como fator decisivo para a nova eleição envolvendo a petista e o tucano José Serra.

"O Brasil ficou perto de eleger sua primeira presidente mulher, mas Dilma Rousseff enfrentará um segundo turno", informou o britânico The Guardian. O jornal inglês disse que alguns eleitores não conheciam o nome da petista, referindo-se a ela somente como "mulher do Lula".

O americano The New York Times, por sua vez, apontou o papel de Marina Silva na eleição, interferindo no triunfo de Dilma no primeiro turno. "Rousseff teve sua vitória negada devido a um forte comparecimento do eleitorado de Marina Silva (...), que conseguiu mais de 19%", informou.

O espanhol El País também lembrou de Marina, afirmando que a candidata "se consolida como alternativa e fixa sua capacidade de negociação para o segundo turno". O jornal comentou sobre as pesquisas positivas de Dilma antes das eleições, apontando que o primeiro turno pode surgir como um revés para a petista.

"As enormes expectativas despertadas para a candidatura de Dilma podem terminar prejudicando seu segundo turno, já que seu triunfo, insuficiente, se nota como uma derrota", analisou.

O Le Monde fez uma cobertura extensa das eleições brasileiras. Além de destacar o segundo turno de Dilma, o jornal apontou benefícios de projetos do governo Lula, que podem ser continuados pelo sucessor, a ser eleito em 31 de outubro.