Cariocas analisam prós e contras do governador reeleito Sérgio Cabral

Os cariocas foram trabalhar hoje (4) com as opiniões divididas sobre o governo Sérgio Cabral (PMDB). Enquanto alguns elegem a segurança como o ponto positivo no primeiro governo de Cabral, outros acreditam que os investimentos nas áreas da educação e saúde deixam muito a desejar no programa de governador reeleito.

Para o advogado Roberto Queiroz, 31 anos, morador da Barra da Tijuca, bairro de classe média alta da cidade, faltam investimentos em infraestrutura, na saúde, na educação, principalmente nas regiões menos assistidas do estado. “Falta tudo no governo, principalmente investir em infraestrutura e melhoria do que já está pronto, também equipar melhor os hospitais e escolas. Outra coisa que observo é que os governantes concentram obras na região metropolitana e está faltando levar isso para o subúrbio e interior do estado”, afirmou.

A auxiliar de serviços gerais Silvana Maria Silva, de 46 anos, moradora no bairro de Campo Grande, zona oeste, também tem o mesmo ponto de vista de Roberto Queiroz e não está feliz com o transporte público. “Quase não tem ônibus em Campo Grande, a principal opção é o trem. Isso me faz ser obrigada a andar um bom tempo para pegar a condução, soltar na Central do Brasil e andar mais um tanto. Se tivesse mais ônibus vindo de lá, facilitaria muito”, disse.

Para Thiago Curvello, 26 anos, técnico em telecomunicações e morador de Vista Alegre, na zona norte da capital fluminense, o governo Sérgio Cabral está investindo de forma correta. “Eu pude acompanhar de perto a zona oeste e vi que essa região teve muitas modificações. Já recebeu clínicas da família, creches, comunidades pacificadas, ou seja, estamos caminhando para o correto. Mas é muito difícil reerguer um castelo em pouco tempo quando ele era degradado a tanto tempo”, afirmou.

Márcio da Silva Rocha, 41 anos, técnico em telas de proteção e morador de Jacarepaguá, destaca o trabalho das unidades de Polícia Pacificadora (UPP) no combate à violência na cidade, no primeiro governo de Sérgio Cabral.“Está tudo muito bom, me sinto seguro, agora tem as UPP, não tenho do que reclamar. Só espero que seja ainda melhor do que foi o primeiro governo de Cabral”, disse.