Uso de urna biométrica atrasa votação em Búzios

A identificação de impressões digitais está mais lenta e as filas para votar estão extensas em uma zona eleitoral do centro do município de Búzios, a 200 quilômetros do Rio de Janeiro, onde pela primeira vez, a eleição é realizada por urnas biométricas.

Segundo a Justiça Eleitoral, a zona 172 reúne muitas pessoas que exercem atividades manuais, como pescadores, marceneiros, pedreiros e artesãos. Por isso, as impressões digitais de muitas delas estão fracas e demoram mais para serem identificadas pelo sistema.

O pescador Francisco Alves, de 50 anos, precisou testar as impressões digitais de quatro dedos antes de a urna liberá-lo para votar. O tempo que gastou nesse processo foi de cerca de dois minutos. Para depositar seu voto, no entanto, ele conta que levou cerca de 30 segundos.

O comerciante Manoel Gomes precisou testar dois dedos antes de a urna aceitar sua identificação. Os dois colegas que o acompanharam até a zona eleitoral não relataram nenhum tipo de problema. Mas o comerciante não aprovou o sistema biométrico.

“Achei que perdi muito tempo. Podia ser mais rápido. Não tenho nenhum problema na mão e não faço trabalho manual”, reclamou.

A estudante Rosane Melo, de 17 anos, não teve problemas com a identificação de digitais. Ela acha que as filas estão demoradas por causa da quantidade de cargos a serem preenchidos e pela dificuldade que idosos ou pessoas com nível de instrução menor têm para votar.

“Demorou demais. Tinha que ser mais rápido. As pessoas tinham que trazer uma cola e os idosos deveriam ter uma seção separada. A demora atrapalha que tem compromissos”, disse.

O juiz eleitoral de Búzios Rafael Rezende das Chagas disse que as dificuldades na identificação de impressões digitais são pontuais e as filas são sazonais. “Não é nada que venha causando constrangimento para o eleitor ou transtorno para o processo”, garantiu.

No caso de a urna não identificar nenhuma das impressões cadastradas de quatros dedos do eleitor, os mesários acessam um código para liberar a votação. Na zona em questão, onde votam cerca de 2 mil pessoas, ainda não há estimativas de quantas vezes a senha foi solicitada.

Segundo o juiz, os cerca de 19 mil eleitores de Búzios devem gastar cerca de dois minutos para escolher seus representantes políticos. A estimativa foi calculada com base nas eleições de 2008 e na simulação com as urnas biométricas, realizada na mesma zona eleitoral.