PE: Jarbas, Maciel e Jungmann reconhecem derrota

O senador Jarbas Vasconcelos (PMDB), candidato a governador de Pernambuco, reconheceu às 20h deste domingo (3), a derrota para o governador Eduardo Campos (PSB), candidato a reeleição.

Jarbas perdeu atirando. Disse que seu adversário vestiu o traje da modernidade, planeja voos nacionais, mas se tornou uma pessoa pequena. Repetiu a denúncia que fez durante toda a campanha, de que foi vítima de cooptação eleitoral, e frisou que não desejava sucesso ao governador eleito.

Jarbas Vasconcelos afirmou que estava pagando o preço por ser oposição. "Nem o PT, nem Lula inventaram a corrupção, ela já estava lá. O problema é que o presidente da República usa sua força para derrotar forças legítimas, usa seu peso para exterminar a oposição - onde já se viu isso?". Jarbas disse que o PT se apresentava como guardião da ética, mas hoje ficou parecido com o PMDB. "E o PMDB é essa coisa que todos vocês conhecem", resumiu.

Acompanhado dos companheiros de palanque candidatos ao Senado Federal, o senador Marco Maciel (DEM) e o deputado federal Raul Jungamnn (PPS), Jarbas homenageou seus companheiros de campanha. "Fico triste por ver o estado perder um homem público como Maciel e por ter pedido a Jungman para participar da eleição comigo".

Jarbas e Jungman anunciaram que vão trabalhar, a partir de amanhã, na campanha pela eleição de José Serra (PSDB) como presidente do Brasil. Jarbas Vasconcelos disse, inclusive, que irá sugerir ao candidato tucano que seja mais crítico no tom da sua campanha pelo segundo turno. "Vejam que se Dilma não soube escolher uma pessoa para substituí-la na Casa Civil, como poderá escolher pessoas para governar o Brasil", argumentou, referindo-se aos episódios que terminaram por levar o pedido de afastamento da ex-ministra Erenice Guerra.

Jarbas garante que a poeira não irá baixar. "Toda a estrutura da minha campanha, o meu comitê, meus militantes, a partir de amanhã estarão empenhados em pedir votos para Serra, que é o político brasileiro mais preparado para ser presidente da República".