Paulo Bufalo, candidato do Psol ao governo paulista, não tem votos divulgados em parciais

Em nota oficial, o Psol se pronunciou neste domingo a respeito das parciais de Paulo Bufalo, candidato do partido ao governo de São Paulo. Nas primeiras apurações do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SP), Bufalo aparece sem votos válidos.

Segundo o comunicado, o Psol protocolou um novo vice na chapa, Antônio Carlos da Cruz, o Tonhão, ex-diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de Campinas e Região. Tonhão substituiu Aldo Santos, "injustamente enquadrado na Lei do Ficha Limpa".

A troca foi realizada na última sexta-feira, 1º de outubro, "dentro do prazo legal". Apesar de a documentação de Tonhão ter sido aprovada, a Justiça eleitoral não conseguiu incluir a candidatura como apta, segundo o partido. Por conta de "questões técnicas", ainda de acordo com a nota, os votos para o candidato do Psol não são computados nos boletins parciais.

O Psol ainda anunciou que, segundo o TRE-SP, a votação de Paulo Bufalo será divulgada publicamente nesta segunda-feira. Porém, os números da apuração só devem ser oficializados na quarta-feira, uma vez que o Ministério Público ainda tem prazo para questionar a chapa em questão.

Até as 20h28 (horário de Brasília), também de acordo com o TRE-SP, Bufalo já supera a marca de 69 mil votos contados. O partido, enquanto isso, assegura em sua nota "a confiança de que Aldo Santos é inocente e foi enquadrado injustamente na Lei do Ficha Limpa, já que não pesa sobre a sua pessoa qualquer suspeita de corrupção".

"O então vereador tomou a atitude correta ao utilizar o veículo da Câmara de Vereadores de São Bernardo do Campo para retirar mulheres e crianças do Acampamento Santo Dias pouco antes da violenta reintegração de posse em 2003", explica o comunicado.