Imprensa internacional destaca vantagem de "protegida" de Lula

As eleições presidenciais no Brasil foram destaque nos sites de alguns dos principais jornais do planeta, principalmente a vantagem de Dilma Rousseff, a "protegida" de Lula, como chama o The New York Times. Já o inglês The Times lembra o passado de "guerrilheira" com longo histórico de políticas revolucionárias marxistas.

O americano NYT destaca a liderança de Dilma nas pesquisas, a qual chama de novata. A publicação diz que falta à candidata petista o carisma de Lula, mesmo assim ela deve ser a primeira mulher eleita presidente do Brasil. O site do jornal ainda destaca o envolvimento de Lula na campanha, que passou boa parte do ano introduzindo sua candidata aos eleitores, já que ela era "inicialmente desconhecida das massas".

A publicação americana lembra ainda momentos antes e durante a campanha, como o tratamento de câncer pelo qual Dilma passou e o escândalo envolvendo Erenice Guerra.

Segundo o El País, da Espanha, a grande dúvida é se a candidata do PT será eleita ainda no primeiro turno, já que "ninguém, nem o ex-governador de São Paulo, José Serra, nem a ex-ministra Marina Silva, do Partido Verde, se aproximam da herdeira de Lula". O site do jornal também lembra do passado da "guerrilheira marxista, leninista, que se reconverteu em economista e no equivalente a chefe de Gabinete (se referindo ao cargo de ministra-chefe da Casa Civil)".

O site diz que os grandes trunfos de Dilma são os resultados do governo na economia, que tirou 30 milhões de pessoas da extrema pobreza, e a aprovação de Lula.

O argentino La Nacion diz que os olhos de meio mundo estão sobre o Brasil. O site do jornal destaca a importância de Marina Silva e dos indecisos no pleito, que podem levar à eleição ao segundo turno.