Em contagem extra-oficial, Dilma tem 44,1% dos votos em Roma

Com o fechamento das urnas na Embaixada do Brasil em Roma, números preliminares e extra-oficias foram divulgados pelo embaixador José Viegas Filho por volta das 18h da tarde deste domingo (13h em Brasília). Com base nos boletins de encerramento de votação emitidos por cada uma das 13 urnas disponíveis na capital italiana, Dilma Rousseff teria 44,1% dos votos, José Serra, 32,6%, Marina Silva, 19,4%. Os demais candidatos somaram, juntos, 3,9%. Foram computados somente os votos válidos, excluídos, portanto, brancos e nulos.

Estavam aptos a votar 3488 pessoas. Destas, compareceram às urnas 1938 - 55,5% - percentual condiderado bom pelo embaixador. "Ocorreu tudo dentro da normalidade e estou feliz pelo número de pessoas que veio votar", disse.

Susto

A votação começou com um pequeno susto na manhã deste domingo. Uma das urnas eletrônicas enviadas do Brasil "travou" na hora de ligar. Como já havia gente na fila, a votação manual, feita com cédulas de papel, começou a ser preparada. O plano B não foi, no entanto, necessário. A urna retomou suas funções normais cerca de meia hora depois de apresenta o problema.

Os trabalhos oficiais foram abertos assim que o relógio interno das urnas automaticamente as desbloqueou. O primeiro voto foi computado logo após as 8h da manhã (3h da madrugada no Brasil) e se encerraram às 17h em ponto, conforme determinação da Lei Eleitoral.

Muitos cidadãos brasileiros lotaram a Piazza Navona, tradicional ponto turístico da cidade, transformando a frente da embaixada em uma confraternização multicolorida. Conhecidos que moram em diferentes cidades da Itália puderam se reencontrar com a "desculpa" de ter que ir a Roma para votar.

Dos 47 mesários esperados - metade deles voluntários da comunidade brasileira na capital - apenas um não compareceu.

Ao longo do dia, o governo brasileiro ofereceu refeições no próprio edifício para quem trabalhou no pleito. No cardápio, produtos tipicamente brasileiros como pão de queijo e guaraná. "É muito caro almoçar no centro", disse Irene Vida Gala, conselheira consular responsável pela coordenação do processo eleitoral. A Embaixada brasileira fica em um dos metros quadrados mais disputados de Roma, no coração da cidade.