Dilma terá palanques mais fortes, avalia cientista político

A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, terá palanques muito mais fortes do que o seu concorrente, o tucano José Serra, na disputa eleitoral no segundo turno. Serra só vai contar com apoio significativo em três estados fortes, Paraná, São Paulo e Minas Gerais, avalia o cientista político Marco Antonio Carvalho Teixeira, professor da Fundação Getúlio Vargas. "E em Minas, ele precisará contar com a adesão de corpo e alma do ex-governador Aécio Neves (eleito senador), o que é de se esperar com certa reserva", observa Teixeira.

Nos Estados onde haverá segundo turno, Serra, mais uma vez, enfrentará dificuldades para ver seus aliados se oporem à liderança do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Novamente, o presidente jogará seu peso político em favor dos candidatos apoiados pelo Palácio do Planalto que estarão nessa segunda fase da disputa. "É o caso do Pará, onde o PSDB quase ganhou no primeiro turno, mas a Dilma venceu no Estado. Lá, o candidato do PSDB deve evitar um embate direto com Lula, que é muito forte", diz o cientista.