Candidato do DEM acusa petista de apreensão ilegal de propaganda na Bahia

Equipe de campanha do deputado federal José Carlos Aleluia (DEM), que é candidato ao Senado na chapa encabeçada pelo ex-governador da Bahia Paulo Souto, afirmou no final da noite deste sábado (02) para denunciar que assessores do candidato ao Senado, Walter Pinheiro (PT), e policiais à paisana da Casa Militar do governo estadual apreenderam panfletos distribuídos pela referida equipe de forma arbitrária.

A ação, como informou a assessoria da coligação DEM/PSDB na Bahia, ocorreu na região do Iguatemi, onde se localizam passarelas para pedestres. A ação considerada ilegal pelos partidários do democrata gerou confusão no local. Deslocando-se para a região do incidente, o candidato ao Senado, José Carlos Aleluia, acusou o petista de utilizar a máquina do estado em benefício próprio.

"É mais um crime eleitoral, usar servidores da Polícia Militar para impedir a livre e legal propaganda eleitoral", considerou o deputado democrata. A assessoria do parlamentar informou que Aleluia se dirigiu à 16ª Delegacia, na Pituba, bairro de Salvador, mas não conseguiu prestar queixa, pois faltava escrivão. O democrata se deslocou então para a 7ª Delegacia, no Rio Vermelho.

A assessoria jurídica da coligação DEM/PSDB explicou que o panfleto era peça de propaganda eleitoral lícita. O panfleto que trazia o título "O que não te disseram sobre Pinheiro" dizia, dentre outros pontos, que o candidato ao Senado votara, na Câmara Federal, contra o aumento dos aposentados e pela continuação da CPMF.

Antes de procurar a delegacia, Aleluia e seus assessores foram à 25ª Companhia de Polícia Militar, próxima à região do Iguatemi. Lá, segundo a assessoria de imprensa de Aleluia, eles sofreram intimidação do tenente-coronel Pinheiro, que é irmão do petista. O Terra, apesar do horário avançado, tentou contato com a assessoria de imprensa da coligação petista por celular e através de envio de mensagem de texto. Não houve retorno.