Julgamento do registro da candidatura de Weslian Roriz está empatado

O julgamento, no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-DF), que decide hoje (2) se o registro da candidatura de Weslian Roriz (PSC), mulher do ex-governador Joaquim Roriz (PSC), é válido está empatado em 3 x 3. O último voto é do presidente do tribunal, João Mariosi.

O Ministério Público Eleitoral (MPE) diz que a candidatura de Weslian Roriz representa uma "candidatura laranja". Os procuradores alegam ainda que o prazo para a coligação Esperança Renovada apresentar um nome para substituir o do ex-governador foi encerrado em 20 de agosto – o nome de Weslian surgiu no dia 24.

Para os procuradores, a impugnação do registro da candidatura do Weslian vai gerar um efeito cascata no restante do país. Se o registro for mantido, os procuradores advertem, na ação encaminhada ao TRE, que serão legitimadas as “diversas candidaturas laranjas". Para o MPE, os advogados da candidata só podem recorrer do veto ao registro depois do resultado final do processo.

O MPE é contra a concessão do registro à pré-candidata ao GDF para Weslian Roriz (PSC). Caso o registro seja negado, o TRE analisa a possibilidade de proclamar em caráter provisório o candidato do PT ao governo do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, líder nas pesquisas como o vitorioso nestas eleições.

Roriz desistiu da candidatura, depois que houve empate, com um placar de 5 x 5, no Supremo Tribunal Federal (STF) no julgamento de um recurso extraordinário impetrado por seus advogados. Roriz argumentava que sua candidatura era válida e não se encaixava na Lei da Ficha Limpa. Desde então Weslian foi lançada candidata e participa de debates e comícios.

Mas pela análise do MPE, o PSC de Roriz e a coligação Esperança Renovada apresentaram a candidatura fora do prazo. No parecer, os procuradores eleitorais se amparam em jurisprudência do Tribunal Superior Eleitoral para pedir a impugnação da candidatura de Weslian.