TJ aceita denúncia contra filha por morte de ex-ministro do TSE

 

A Justiça do Distrito Federal aceitou denúncia contra Adriana Villela suspeita de matar o pai, o ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) José Guilherme Villela, e outras duas pessoas, em agosto de 2009.

A denuncia foi apresentada pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios. Adriana é acusada de homicídio triplamente qualificado das três vitimas: Villela, Maria Carvalho Mendes Villela e Francisca Nascimento da Silva.

Os pedidos de prisão preventiva contra a ré e outros cinco indiciados no inquérito policial foram negados.

O caso

Villela, sua mulher, Maria Carvalho Villela, e a empregada, Francisca Nascimento da Silva, foram encontrados mortos dentro do apartamento da família na Asa Sul, em Brasília, no final de agosto de 2009. Eles foram esfaqueados e tiveram os corpos esquartejados.

Os corpos foram encontrados nos apartamentos 601 e 602 do edifício Leme, depois que um chaveiro foi chamado para abrir as portas do imóvel, pois não havia sinais de arrombamento. Segundo o laudo do Instituto de Criminalística, pelo menos duas pessoas entraram nos imóveis, e as vítimas foram mortas com um total de 73 facadas. Os criminosos fugiram com US$ 700 mil em espécie e ao menos 12 joias - entre elas uma avaliada em US$ 28 mil.