Sergio Cabral diz que firma de fachada não é problema dele

O governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, candidato à reeleição pelo PMDB, disse, nesta sexta-feira (1), que não é problema dele nem de sua equipe a contratação de uma empresa de fachada de Sorocaba (SP) para a confecção de material de campanha, conforme reportagem publicada pela Folha de São Paulo. O candidato atribuiu a acusação, encaminhada ao Ministério Público Eleitoral pela coligação Rio Esperança, do adversário Fernando Gabeira (PV), ao "desespero" do rival.

A empresa chama-se Soroimpress Comércio de Produtos Gráficos, cujo CNPJ conta em ao menos 200 mil adesivos e cartazes de Cabral, pelos quais sua campanha pagou R$ 33.450. Sua sede indicada na Receita Federal e na Junta Comercial de São Paulo, segundo a reportagem, é um prédio vazio, onde um prédio de apartamentos está em construção.

"Isso (a denúncia ao Ministério Público Eleitoral) é desespero da oposição. Quando contratamos uma empresa para fornecer, verificamos se o CNPJ é ativo, o CNPJ desta empresa era ativo. Ela entregou o material e nós pagamos. Se ela terceirizou ou 'quarteirizou', não é problema nosso. Nós cumprimos nossa obrigação. A Receita Federal diz que ela está funcionando, nós contratamos", defendeu-se Cabral, ao visitar as obras de um futuro centro gratuito de exames clínicos de imagem, como ressonância magnética e tomografia computadorizada, próximo à Central do Brasil.

Além de a Soroimpress não funcionar no prédio relatado à Receita e à Junta Comercial, a reportagem da Folha constatou que o endereço de uma das duas sócias indicadas nos registros é, na verdade, uma farmácia, e que a outra mal sai de casa, segundo os vizinhos. Ambas têm 84 anos.