Telefonema entre Serra e Mendes não causa embaraço, diz procurador

 

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, afirmou nesta quinta-feira (30) que "não causa embaraço" o telefonema entre o candidato do PSDB à presidência da República, José Serra, e o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), momentos antes de julgamento sobre a necessidade de dupla documentação para votar.

Reportagem do jornal Folha de S. Paulo aponta que Mendes e Serra se falaram por telefone por volta das 14h desta quarta, antes da sessão plenária do STF. Na mesma tarde, apesar de sete dos atuais dez ministros já terem votado para derrubar a exigência de dois documentos para que o eleitor possa votar, Gilmar Mendes pediu vista dos autos, paralisando a análise do caso. Mendes e Serra negam o telefonema.

"Acredito que não causa embaraço. Ainda que o telefonema tenha ocorrido, em princípio não existe impedimento a que um ministro do STF converse com um candidato à presidência da República", disse Gurgel.

O ministro Gilmar Mendes, que chegou ao edifício sede do Supremo por volta das 14h, não comentou o suposto telefonema com o tucano.