Na despedida, candidatos de Minas Gerais apelam para a emoção na TV

 

 

Os publicitários e marqueteiros responsáveis pelos programas eleitorais dos candidatos ao governo de Minas Gerais reforçaram a dose do quesito emoção na última peça veiculada na TV nesta quarta-feira (29). O programa do governador tucano Antonio Anastasia, que lidera as pesquisas de intenção de voto, foi o campeão no apelo para o lado sentimental.

Em sua participação, o candidato elencou eleitores "anônimos" que foram visitados por ele durante a campanha e agradeceu a atenção e o apoio.

Esses personagens explorados no último programa, a maioria de origem humilde, são associados na propaganda de Anastasia aos programas sociais implantados na gestão Aécio Neves (PSDB, 2003 a março de 2010) e na do atual governador (março a dezembro de 2010).

Em sua fala, ainda houve espaço para agradecimentos ao ex-presidente Itamar Franco (PPS), candidato ao Senado pela coligação de Anastasia, e para Aécio, seu padrinho e mentor político.

Quem também caprichou na dose emocional foi o próprio Aécio. Em seu último programa na corrida à vaga de senador, ele lembrou, com ênfase, do avô Tancredo Neves. Ao som de Coração de Estudante, de Milton Nascimento, o ex-governador do Estado destacou o início de sua carreira política, em 1986, e relacionou sua trajetória a Tancredo. Como faz diariamente na campanha, desde 6 de julho, Aécio voltou a citar Anastasia e destacar sua "ética" e lisura na vida pública.

O programa do candidato ao governo Hélio Costa (PMDB) não chegou a exagerar no tom novelesco, mas, sim, na tecla de sempre: o apoio do presidente Lula e da candidata petista à presidência, Dilma Rousseff, a seu nome e ao de seu vice, Patrus Ananias (PT).

Ao responder as perguntas de populares, Costa voltou a prometer que, se eleito, irá baixar os preços da conta de água, luz e gás em Minas. Ele também levantou a bandeira da saúde, um dos seus principais alvos de ataque contra a gestão tucana durante a campanha eleitoral.

Pimentel abre o jogo

Já o candidato ao Senado pelo PT, o ex-prefeito Fernando Pimentel, decidiu "abrir o jogo" e admitir que Aécio, por todas as pesquisas feitas no Estado, já está "praticamente eleito". Ele ainda fez referência direta ao segundo colocado na corrida ao Senado, Itamar Franco. "Respeito muito o Itamar Franco, mas também tenho experiência".

Em seguida, contando como certa a vitória da presidenciável Dilma Rousseff, disse que seria importante para Minas ter um senador que não fosse "inimigo" do governo federal. A saber: Pimentel é um dos principais aliados da petista, de quem é amigo há várias décadas, e seu braço direito em Minas.