CE: em debate, adversários atacam Cid Gomes e militância briga

      FORTALEZA - O debate promovido pela Folha de S. Paulo/Rede TV! entre os candidatos ao governo do Ceará teve todos os ingredientes para esquentar de vez a reta final da campanha. Antes mesmo do início do encontro na sede da Rede TV!, nesta quinta-feira, os militantes do candidato Lúcio Alcântara (PR) e Cid Gomes (PSB) entraram em confronto e a Polícia Militar precisou ser chamada para acalmar os ânimos. Alguns dos envolvidos ficaram com ferimentos leves, mas ninguém foi preso.



No estúdio, os ânimos também ficaram acirrados. Após os primeiros instantes em que os candidatos Lúcio Alcântara e Marcelo Silva (PV) falaram sobre turismo sexual, Lúcio perguntou a Cid Gomes sobre as denúncias da revista Época, publicadas no começo do ano, sobre uma viagem da sogra do governador à Europa paga pelos cofres públicos.

O atual governador e candidato à reeleição mostrou todas as armas logo na primeira resposta. "Fui educado a tratar de senhor as pessoas mais velhas por respeito. Mas não tenho respeito pelo senhor. Sua campanha montou um comitê de covil usando falsas denúncias. Sua postura nessa campanha desonra seu passado político", falou Cid Gomes. Lúcio insistiu que o candidato desse uma resposta sobre as investigações da Polícia Federal (PF) e Cid atacou o filho de Lúcio e deputado federal Léo Alcântara. "O senhor vem com esse falso moralismo e me acusa de apropriação indébita, quando devia procurar na sua própria casa quem faz isso", acusou Cid.



Ex-secretário do governo Cid e atual candidato ao governo apoiado pelo senador Tasso Jereissati (PSDB), Marcos Cals (PSDB) também não ficou de fora da polêmica em torno de Cid Gomes. "O senhor não respondeu diretamente sobre o assunto. Mas quero que me responda sobre os empregos gerados no seu governo, porque eu não consigo enxergar os números que são apresentados na sua campanha", criticou Cals.


Cid rebateu: "no debate passado eu vi que o senhor é formado em Sociologia e parece que não entende muito de números. Até o final do meu segundo governo vou ter gerado 210 mil empregos contra 30 mil do governo que o senhor diz apoiar agora", disse o candidato se referindo ao governo do Tasso.


Ao final do debate, no bloco das considerações finais, Cid Gomes chegou a pedir desculpas ao telespectador, mas segundo ele "teve que ser duro" por conta das falsas acusações ocorridas nos últimos dias. Cals citou a arrogância do candidato do PSB e disse que tem propostas claras para um possível governo do PSDB. Apesar do termômetro em alta temperatura, os outros candidatos se despediram sem maiores polêmicas.