Programa de Serra no rádio relembra "escândalos" na Casa Civil

 

   SÃO PAULO -  O programa do candidato do PSDB à presidência da República, José Serra, veiculado no rádio o na manhã desta quinta-feira , relembrou os "escândalos" ocorridos na Casa Civil, envolvendo os ex-ministros José Dirceu, em 2005, e Erenice Guerra, neste mês.


"Zé Dirceu era o chefe, saiu de lá por causa do mensalão, acusado de comandar a quadrilha. Passou o cargo para Dilma. Dilma assumiu e trouxe Erenice. Erenice era braço direito de Dilma. Quando Dilma saiu para ser candidata, deixou Erenice em seu lugar. Erenice caiu por causa de escândalos envolvendo o governo federal. É isso que você quer para o Brasil?", questionou o locutor.



Serra focou suas ações enquanto Ministro da Saúde, no governo de Fernando Henrique Cardoso, como os mutirões contra o câncer de próstata, o câncer do colo de útero e a catarata. "Nós vamos fazer de novo os mutirões que fazíamos no passado para eliminar filas", disse o tucano.

 

A propaganda serrista criticou ainda a atuação de Dilma Rousseff quando ocupou o cargo de Secretária da Fazenda de Porto Alegre. "A cinco dias da folha de pagamento do mês de setembro de 88 não havia um único centavo em caixa. Eu tive que pegar um empréstimo bancário para pagar a folha do mês. (...) Essa foi a herança que eu recebi da Dilma", disse Olipio Braga, o funcionário que a substituiu na época.

Dilma Rousseff focou as "grandes obras que movimentam o País", ressaltando o "renascimento da indústria naval". O programa da candidata afirmou que, no final dos anos 70, o Brasil era o segundo maior fabricante de navios do mundo e, depois, chegou a empregar apenas duas mil pessoas. "Hoje a indústria naval brasileira já é de novo uma das maiores do mundo, empregando mais 46 mil brasileiros", disse um dos personagens do programa petista. A construção do primeiro navio petroleiro após 13 anos de estagnação, no Estaleiro Atlântico Sul, em Pernambuco, também foi lembrada.

"O Brasil passou muito tempo parado. Sem projeto, sem obra, sem planejamento. Agora, a situação é bem diferente. Há obras importantes em todas as regiões. O emprego cresce sem parar e a qualidade de vida da nossa população melhora cada vez mais", afirmou Dilma.

A inserção de Marina Silva (PV) lembrou que a gestão da candidata à frente do Ministério do Meio Ambiente foi a responsável pela diminuição de "forma histórica do desmatamento na Amazônia".

A verde também falou sobre suas propostas para a educação. "Nosso compromisso é aumentar o investimento em educação para 7% do PIB. Aumentar os recursos da ciência e da pesquisa de novas tecnologias. É dar oportunidade real para os jovens", disse Marina.