SP: Mercadante aposta em comícios e debates para voltar a crescer

SÃO PAULO - O candidato do PT ao governo de São Paulo, Aloizio Mercadante, afirmou nesta sexta-feira que o quadro de estabilização das intenções de voto em sua candidatura na pesquisa Datafolha divulgada hoje, deverá se modificar a seu favor nos próximos 15 dias. Para isso, ele aposta nos debates promovidos pelas emissoras de maior audiência - Globo e Record - e nos três comícios que fará ao lado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da candidata à presidência pelo seu partido, Dilma Rousseff. Os três estarão juntos neste sábado, em Campinas, no interior de São Paulo, e na semana que vem têm agendas conjuntas na capital paulista e em São Bernardo do Campo, no encerramento da campanha para a disputa do 1º turno. De acordo com o Datafolha, Geraldo Alckmin (PSDB), subiu dois pontos em relação ao levantamento passado, dentro da margem de erro. Com 51% das intenções de voto, ele é o favorito para ganhar a eleição paulista ainda no primeiro turno. Mercadante, com 23%, Celso Russomanno (PP), com 8%, e Paulo Skaf (PSB), com 3%, se mantiveram estáveis. A situação é bastante semelhante à vivida por José Serra (PSDB) na disputa presidencial. "Apesar do quadro de estabilização, acredito que estamos prontos para crescer nestes 15 dias finais de campanha. Essa sempre foi a característica do PT. Neste período teremos três grandes comícios e os debates nas principais emissoras de televisão. E é agora que o eleitor começa a prestar a atenção na disputa. Mantenho a confiança de ir para o segundo turno", disse. No início da manhã desta sexta-feira, Mercadante participou de um ato com metalúrgicos na Vila Liviero, zona sul de São Paulo. Para a categoria, empenho nestes 15 dias finais. "Peço a vocês a mesma chance que deram ao Lula. Ajudem nessa luta para que possamos mudar essa paralisia que vive o Estado de São Paulo. Perguntem se os tucanos acordam cedo para vir em porta de fábrica", disse. Acompanhado pelos candidatos ao Senado Netinho de Paula (PCdoB) e Marta Suplicy (PT), Mercadante também pediu empenho para a eleição dos dois. "A Dilma irá precisar de apoio no Senado e temos dois nomes que podem representar bem o Estado de São Paulo", afirmou. Netinho afirmou que os metalúrgicos são papel fundamental na disputa. "Precisamos do empenho de vocês. Convençam os que ainda não sabem em quem votar. Precisamos politizar a eleição. Eu não acredito que é gente que é do gueto perca para esses que nao ligam para a gente. O Mercadante é muito melhor do que esses que estão aí", disse. Marta também pediu uma chance para o PT governar São Paulo. "É agora que as pessoas vão escolher. Precisamos defender as pessoas que tem menos e lutar por justiça social", afirmou.