SC: prefeito diz estar de "saco cheio de perseguição política"

Florianópolis - O prefeito de Florianópolis, Dário Berger (PMDB) perdeu a paciência nesta quinta-feira (16) e disse estar de "saco cheio com perseguições políticas". Ele atribuiu a prisão de seu motorista com material de campanha dos correligionários peemedebistas, Rose Berger, sua ex-esposa e candidata a deputada, e do ex-governador Luiz Henrique da Silveira, postulante ao Senado, à perseguições feitas por membros do PP.

Em entrevista à rádio CBN, Dário comentou a prisão executada pela Polícia Rodoviária Federal na última segunda-feira em plena BR 101. Demonstrando muita irritação, o prefeito assumiu que os santinhos e material de propaganda eleitoral seriam seus. Além disso, destacou que os R$ 1,8 mil encontrados no carro seriam para seu "uso pessoal". "Estou de saco cheio de tana perseguição política", disse, interrompendo o apresentador em várias oportunidades.

Berger ainda explicou que o carro da Prefeitura de Florianópolis não teria "placas frias" e criticou a atuação dos patrulheiros rodoviários que, segundo ele, teriam, agido após denúncias de adversários políticos. "Todo mundo sabe como sofro perseguição do PP", disse.

O motorista Alcebíades Pires foi preso em carro oficial durate a ação na BR 101. O carro, que pertencente ao Instututo de Planejamento Urbano de Florianópolis (IPUF) teria placas "frias", segundo a Polícia Rodoviária Federal. O motorista ficou preso por 24 horas e a Polícia Federal e o Ministério Público Eleitoral investigam o caso.