PR: Richa diz que Flávio Arns, seu vice, comandará Educação

Portal Terra

CURITIBA - Quinze dias depois de declarar que não pensa em nomes para sua equipe de governo, o candidato do PSDB ao governo do Paraná, Beto Richa, anunciou o nome de seu primeiro secretário, caso conquiste a cadeira no Palácio Iguaçu.

Em entrevista à RPCTV, Beto disse que o candidato a vice de sua chapa, Flávio Arns (PSDB), será seu secretário de Educação. "Seria hipocrisia qualquer candidato ao governo do Estado dizer que não está pensando em uma pessoa para ser secretário nesta ou naquela área. Porque conhece a pessoa, sabe das suas necessidades, dos seus compromissos, e de seu conceito no meio", disse o candidato para depois anunciar. "Eu já tenho em mente quem vai ser o meu secretário de Educação. Uma pessoa que milita na área há anos, com seus familiares, tem todas as qualidades e é reconhecido internacionalmente. Pretendo ter como meu secretário de Educação, a pessoa que escolhi para ser meu vice-governador, Flávio Arns", disse.

No último dia 30, em encontro promovido pela Associação dos Municípios do Paraná, Beto desmentiu boatos de que já estaria escolhendo nomes para o seu primeiro escalão. "Fico feliz por já me considerarem eleito, já que até estão nomeando secretário para mim", disse, referindo-se a insinuações de que já teria nome justamente para a pasta da Educação.

Na época, entidades ligadas aos servidores e professores da educação estadual fizeram circular e-mails alertando para a possibilidade de Zélia Marochi, que auxilia Beto com as questões sobre educação, vir a ser a secretária em um eventual governo tucano.

Marochi, que participou da Secretaria de Educação no governo Lerner, não é bem vista pelos movimentos sindicais ligados à educação. A assessoria da campanha de Osmar Dias (PDT) comentou, em nota, o anúncio antecipado do adversário. "O anúncio de Beto Richa acontece num momento crítico de sua campanha, em que ele perde apoio dos professores e eleitores da capital e interior". Beto chamou professores de "laranjas podres" numa reunião em Apucarana, na sexta-feira.

A indicação de seu vice para o cargo de secretário da Educação é vista pelas lideranças dos professores como "uma forma de ele desviar a discussão sobre o seu fraco projeto para o setor e apagar o incêndio iniciado com sua infeliz declaração".