Na TV, Serra volta a atacar Dilma com denúncia contra Erenice

A parte final do programa eleitoral do candidato tucano José Serra, que, geralmente tem sido utilizado para atacar diretamente ao partido de sua principal rival na corrida eleitoral, o PT, trouxe na noite desta quarta-feira (16) o novo capítulo do caso Erenice, ex-ministra da Casa Civil. "Entra dia, sai dia, o governo do PT se enrola em escândalos e mais escândalos", iniciou o narrador.

Em seguida, o programa mostrou a manchete veiculada nesta manhã no jornal Folha de S. Paulo sobre a participação do filho de Erenice, Saulo Guerra, na suposta cobrança de dinheiro para obter liberação de empréstimo no BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

A propaganda ainda ressalta: "diz o jornal: 'a empresa recebeu a proposta de doar R$ 5 milhões de reais para Dilma'". Então, são mostradas fotografias de Dilma Rousseff (PT) e Erenice lado a lado. "Dilma e Erenice, juntas desde 2003, as duas entraram no cargo de José Dirceu. Agora, Zé Dirceu prepara sua volta", diz o programa, em tom de ameaça.

O resto do horário do tucano procurou reproduzir a experiência internacional de Serra, mostrando suas viagens ao Japão, Índia e Noruega quando ministro da Saúde e governador de São Paulo. Saúde, tema recorrente em sua campanha na televisão, também foi tratado nesta noite. "o Serra do genérico, o Serra da campanha de prevenção do câncer de próstata, o serra do mutirão da saúde", dizia o narrador, com imagens do candidato abraçando eleitores.

O ex-governador também gastou uma boa parte de seu tempo prometendo um aumento do salário mínimo. "Eu sou economista, eu sei fazer conta. No ano que vem, o salário mínimo vai para R$ 600 no Brasil inteiro", disse o candidato. Serra também apareceu lendo um trecho da bíblia na casa de uma eleitora.

Dilma Rousseff

O programa eleitoral da candidata petista à presidência, Dilma Rousseff, atacou de forma mais direta o governo antecessor de Luiz Inácio Lula da Silva, presidido por Fernando Henrique Cardoso (PSDB) na noite desta quinta-feira. "Hoje creio que ficou bem claro que o nosso modelo de governar é bem diferente do passado. Hoje, é governado com amor e respeito. Por isso tanta gente subindo na vida e realizando seus sonhos", disse Dilma em sua fala.

O horário da petista também trouxe uma imagem na qual comparava os governos tucano e de Lula. "No governo de FHC e Serra, as palavras eram FMI, juros, inflação. No governo de Lula e Dilma, as palavras são emprego, ascensão social", dizia a narração, enquanto um desenho com bonecos mostrava o dia clareando com a chegada de Lula e Dilma.

Após algum tempo ausente, Lula também apareceu no programa para falar sobre os investimentos que Dilma pretende fazer no sistema ferroviário. "Vocês estão percebendo que atrás de mim tem uma locomotiva. Pois bem, nós estamos hoje no Brasil recuperando quase seis mil quilômetros de ferrovia. Dilma eleita presidenta da República vai fazer pelo Brasil as ferrovias que o Brasil tanto precisa, para a gente ter um sistema de transporte ligando estradas e ferrovias", afirmou Lula.

Marina Silva

A candidata do Partido Verde à presidência, Marina Silva, comemorou seu crescimento na pesquisa Datafolha divulgada em 10 de setembro, quando apareceu com 11% das intenções de voto - 1% a mais do que o alcançado na pesquisa divulgada em 4 de setembro. "Marina cresce na pesquisa Datafolha e dá o primeiro passo para o segundo turno".

Em sua fala, Marina voltou a falar sobre a necessidade de uma economia sustentável. "Os novos conhecimentos, a nova tecnologia, tem que ser aproveitadas pelos brasileiros. O Brasil não pode se atrasar da nova economia sustentável que vem surgindo. Quero convocar os brasileiros para um debate no segundo turno', disse.