Plínio ironiza falta de Dilma: "foi ver o Pato Fu de novo"

Portal Terra

DA REDAÇ O - O candidato do Psol à presidência da República, Plínio de Arruda Sampaio, iniciou o debate Estadão/Gazeta, utilizando novamente sua ironia já comprovada nos dois debates entre presidenciáveis realizados anteriormente. Sobre a ausência de Dilma Rousseff (PT), que lidera com folga as pesquisas de intenção de votos, o socialista disparou: "Dilma foi ver o Pato Fu de novo (fazendo referência à tuitada da petista, que indicava o último álbum da banda mineira enquanto ocorria o debate da Aparecida/Canção Nova, no mês passado)".

No primeiro bloco do debate, os candidatos responderam a pergunta "qual foi, na vida política, o maior erro cometido e qual lição foi aprendida?".

Plínio aproveitou ainda seu tempo para criticar a ausência de Dilma. "É muito bom que a TV tenha posto vazio para demonstrar que ela não veio", disse. O candidato do Psol ainda afirmou que seus erros na política foram acreditar nos presidentes Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e no Fernando Henrique Cardoso (FHC).

No final do bloco, o candidato do PSDB, José Serra, teve a oportunidade de explorar novamente a violação de sigilo de sua filha, Verônica. Mas o candidato tucano acabou lembrando o vazamento das provas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). "As pessoas que trabalham com dados devem trabalhar com competência", disse. Logo em seguida, o tucano lembrou os vazamentos na Receita Federal. "Ultimamente ele tem sido utilizado com finalidades políticos eleitorais. O PT, partido da candidata (Dilma), tem usado esses dados", afirmou.