Mercadante quer dar resposta por acusação de ausência no Senado

Vagner Magalhães, Portal Terra

S O PAULO - Nesta quinta-feira (26), a coordenação da campanha do candidato ao governo de São Paulo pelo PT, Aloizio Mercadante, entrou no Tribunal Regional Eleitoral com um pedido de direito de resposta no programa do candidato tucano Geraldo Alckmin (PSDB). No programa da noite de ontem, Mercadante foi acusado de não ter comparecido a uma sessão do Senado que tratava da liberação de recursos para São Paulo.

O locutor do programa tucano afirmou que Mercadante falta ao trabalho na hora de ajudar São Paulo. "Senador Mercadante, não adianta fazer discurso bonito, se o senhor falta ao trabalho na hora de ajudar nosso Estado, de cumprir o seu dever, de votar e aprovar empréstimos e verbas para beneficiar os paulistas no Senado".

Irritado, Mercadante respondeu que o projeto foi aprovado em votação simbólica, com a sua presença oficial no painel. "Esse é o tipo de coisa para confundir o eleitor. Acho que eles (PSDB) estão começando a ficar desesperados com o crescimento da nossa candidatura. Erraram até o valor do empréstimo", disse.

Desde o início da campanha eleitoral, foi a primeira vez que o programa eleitoral de Alckmin atacou diretamente o adversário petista. A apresentação afirmou: "no dia 8 de maio de 2008, mais de US$ 1 bilhão de empréstimo para a CPTM, para comprar novos trens, expandir o Metrô e o transporte dos paulistas foi à votação no Senado. Mercadante faltou".

Mercadante disse que o valor liberado foi de US$ 535 milhões. "Os secretários do governo tucano (do então governador José Serra) me procuraram à época da votação e sabem que trabalhei duramente no processo", disse.