Marina pede direito de resposta contra PSTU por propaganda

Portal Terra

DA REDAÇ O - A candidata do Partido Verde à presidência, Marina Silva, protocolou junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) um pedido de direito de resposta contra o Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU). A representação alega que a legenda ofendeu a honra da candidata ao associá-la à opressão contra a mulher na propaganda eleitoral gratuita.

A ex-ministra do Meio Ambiente pede o tempo de um minuto na propaganda eleitoral, na televisão e no site do partido para veicular o direito de resposta, e a imediata concessão de liminar que proíba ao PSTU a exibição da propaganda ofensiva, ou similar, no rádio, na TV ou na internet. A candidata do PV pede que a resposta permaneça no site da legenda pelo tempo não inferior ao dobro daquele em que foram expostas as ofensas à sua imagem e honra.

A propaganda que gerou a ação foi veiculada no dia 26 de agosto nos dois blocos da televisão. Após abordar a questão da violência contra a mulher e criticar a supressão das cotas e da denúncia ao racismo, o programa do PSTU afirmou que "Dilma e Marina estão a serviço dos que oprimem. Não basta ser mulher".

Na representação, Marina ressalta o fato de ser mulher, negra e de origem pobre. Ela afirma que, em um determinado ponto da propaganda eleitoral, o PSTU optou por um caminho que torna ofensivo e injurioso todo o texto que, num primeiro momento, representava uma crítica política legítima.

"Sem que indicasse qualquer ato concreto que justificasse a crítica, o partido representado PSTU atinge Marina Silva não só por indispô-la com as mulheres em geral, mas principalmente por insinuar que nega sua origem e sua raça, o que não se pode admitir", afirmam os advogados da candidata do PV na ação.