Em programa eleitoral na TV, Mercadante elogia projeto do PSDB

Portal Terra

S O PAULO - Após ter seu programa eleitoral interrompido na última quarta-feira (25), o candidato ao governo de São Paulo pelo PT, Aloízio Mercadante, admitiu, no horário eleitoral desta sexta-feira (27), que os anos de governo tucano trouxeram alguns benefícios ao Estado e citou como exemplo as Etecs (Escolas Técnicas) de São Paulo. O petista, no entanto, não deixou de criticar que o projeto é restrito. "Nesses 16 anos de PSDB, algumas coisas boas foram feitas, mas feitas para poucos. Quer ver um exemplo disso? As Etecs (...), mas poucos alunos têm a oportunidade e o preparo para entrar em uma", disse.

Durante todo o programa, Mercadante tratou da educação, criticando a qualidade do ensino fundamental e a progressão automática. Segundo o candidato, os estudantes chegam na 5ª série sem saber ler e escrever. "Se eu conseguir evoluir e os alunos aprenderem, tenho que ser aprovado. E acho que aqueles que governaram São Paulo e não conseguiram isso, devem ser reprovados", declarou, enquanto conversava com uma eleitora que falou sobre a fraca educação de seus netos na escola.

Com o apoio de Lula e da candidata à presidência, Dilma Rousseff (PT), Mercadante prometeu reforçar a segurança nas escolas, acabar com aprovação automática, implantar progressivamente o ensino médio em tempo integral juntamente com o profissionalizante, além de aumentar os salários dos professores. "Como fizemos no governo Lula, aqui em São Paulo nós vamos fazer mais e melhor para todos", garantiu.

Já o candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, repetiu seu programa anterior, exaltando suas realizações e promessas para a educação e saúde. O tucano focou os benefícios das Fatecs, Etecs e dos Ames (Atendimento Médico Especializado) à sociedade. Transporte foi outro assunto retomado em sua propaganda eleitoral. Implantação do metrô e as melhorias nas estradas foram destaques.

Apesar de repetir suas ideias nessa inserção, Alckmin optou por não atacar seu adversário, Aloizio Mercadante (PT), como fez no programa da última quarta-feira (25). O tucano havia acusado o petista de faltar no Senado no dia em que investimentos no transporte de São Paulo seriam votados.