Dirigente petista cobra empenho do PMDB na campanha em Minas Gerais

Juliana Prado, Portal Terra

BELO HORIZONTE - O presidente do PT mineiro, deputado federal Reginaldo Lopes, afirmou nesta quinta-feira (26) que prefeitos do PMDB não estão empenhados na campanha do senador Hélio Costa ao governo de Minas. A celeuma começou no Twitter, onde Lopes afirmou que os chefes de Executivo peemedebistas ainda "não entraram na campanha". Ele respondia ao prefeito de Montes Claros, Tadeu Leite (PMDB), que, no dia anterior, havia cobrado participação dos petistas na campanha de Costa.

"Eu só respondi a ele. O PT está de corpo e alma; o PMDB é que ainda não entrou na campanha", provocou Lopes. O dirigente petista diz que, em algumas regiões de Minas, uma participação com mais afinco dos peemedebistas, que administram 120 cidades, é sentida.

O prefeito nega que tenha causado desconforto para a campanha da coligação "Todos juntos por Minas" com suas cobranças em praça pública. Ele reiterou, no entanto, que sente falta dos petistas em campo. Assim como, admite, percebe pouco empenho dos peemedebistas na campanha do candidato ao Senado, Fernando Pimentel, que é filiado ao PT. "Às vezes parece que tem uma parte do PT que ainda está 'saudosa' do fato de o Patrus (Ananias - vice de Hélio Costa) não ter sido o candidato ao governo".

O ruído entre representantes de PT e PMDB chama atenção pelo momento em que acontece, a 40 dias da disputa, com a propaganda eleitoral no ar e com o crescimento de Antonio Anastasia (PSDB) nas pesquisas. Por isso mesmo, os bombeiros já entraram em ação.

O coordenador da campanha de Hélio Costa, prefeito Anderson Adauto, diz que não existem arestas a aparar e que o empenho dos petistas na frente de campanha é satisfatório. "Não vejo hoje qualquer corrente interna do PT afastada da campanha do Hélio", afirma, mesmo admitindo que, por outro lado, há casos isolados de prefeitos do PMDB que ainda não abraçaram a campanha.

Vantagem

De acordo com os números da última pesquisa Ibope, publicada na segunda-feira (23), a distância entre Costa e Anastasia caiu para 11 pontos - 38% a 27%. O discurso, no entanto, é de tranquilidade entre as lideranças da coligação. O entendimento é de que o candidato do PMDB não tem mais muita margem de crescimento, já que chegou perto dos 40%. Restaria então manter a vantagem, consolidá-la e não perder votos para o adversário.

A expectativa é de que, já na próxima semana, a cúpula responsável pela campanha se reúna para aparar algumas arestas. No encontro, ainda em fase de negociação, poderão ter assento reservado o marqueteiro de Hélio Costa, Duda Mendonça, e até o presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra.