Serra volta a acusar Dilma de copiar parte de suas propostas

Laryssa Borges, Portal Terra

BRASÍLIA - O candidato do PSDB à presidência da República, José Serra, afirmou nesta terça-feira (17) que sua principal adversária, a petista Dilma Rousseff, tem "copiado" parte de suas promessas de governo, ao passo que o governo federal tem exigido a "paternidade" de projetos desenvolvidos por ele em sua gestão em São Paulo. Serra já havia se manifestado nesse sentido anteriormente, mas sem citar o nome da candidata petista.

"Dali a um ou dois meses a candidata do PT faz a mesma proposta. Já tenho sete (ideias copiadas). Estou fazendo uma coleção. Isso é bom. Só é preciso que ela visite (o local de tratamento de saúde) para conhecer. O importante não é a cópia. Só gostaria de vez em quando de ver o (crédito) autoral", disse o candidato tucano ao participar do XX Congresso Nacional das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos, em Brasília.

Ao falar para uma platéia formada por médicos e enfermeiros, Serra acusou ainda o governo Luiz Inácio Lula da Silva de tentar assumir a autoria das UPAs (Unidades de Pronto Atendimento), sendo que, conforme ele, o projeto não passa de uma cópia das AMAs (Assistência Médico-Ambulatorial). "Essas AMAs foram copiadas pelo governo do Rio de Janeiro, que chamou de UPAs (Unidade de Pronto Atendimento) - é até um nome melhor - e agora o governo federal tenta assumir a paternidade. É mais uma questão (de âmbito) eleitoral", disse o candidato.

O tucano rebateu ainda o discurso do governo federal de que o fim da CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira), no final de 2007, contribuiu para a manutenção do sucateamento da saúde e disse que essa tese não passa de "conversa fiada".

"É trololó, falsidade, mentira dizer que os problemas financeiros da saúde provêm do fim da CPMF. Não tem nada a ver. (Quando da votação da prorrogação da CPMF) O governo não mencionou, não falou nada da saúde. Quando a CPMF estava caindo, (...) eu propus para o governo, através do Antonio Palocci (ex-ministro da Fazenda, que poderia ser aprovada a prorrogação do tributo) vinculando como recurso extra para a saúde. Mesmo assim não passou. O trololó de (dizer que) quem derrubou a CPMF foi a oposição, é conversa fiada".

O candidato do PSDB afirmou ainda que a atual gestão do Ministério da Saúde tem prestado assessoria à Dilma Rousseff. "A população aumentou, e a de idosos, mais ainda. Houve encolhimento das principais cirurgias eletivas, até de cataratas, apesar dos truques que o Ministério da Saúde, assessorando a candidata do PT, tem feito", disse.

Reivindicações

Em carta entregue ao candidato tucano durante os debates, a confederação condena a "crise constante" na saúde pública e pede que o ex-governador, se eleito presidente da República, regulamente em caráter imediato a Emenda 29, que fixa patamares para transferência obrigatória de recursos de cada ente federativo para o setor de saúde e estabeleça linhas de crédito para o setor filantrópico de saúde "com carência e juros subsidiados".